Privatização ameaça o país
A privatização da Petrobras coloca o pais à mercê das empresas norte-americanas e europeias
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
postodegasolina_marcelo-camargo_agência-brasil
Preço dos combustíveis e gás vai aumentar e país perderá o controle até mesmo das importações | Foto: Marcelo Camargo, Agência Brasil

Depois que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) não ter aceito a negociação que a diretoria da Petrobras estava fazendo com a Cosan, empresa brasileira da área de açúcar e energia, para a venda de 51% da Gaspetro, a Petrobras agora está negociando com a empresa japonesa Mitsui. Atualmente a Petrobras é dona de 61% da Gaspetro e a Mitsui detém o restante 49%.

No Plano de Negócios 2021/25 apresentado na segunda-feira pelo presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, conta a venda da Gaspetro e parece que querem fazê-lo de qualquer jeito. O interessante é que a futura compradora também estava com planos de reduzir sua participação na empresa.

A Gaspetro foi criada em 1998 como uma empresa da Petrobras encarregada de participar de outras empresas estaduais na área de distribuição de gás. Atualmente a empresa tem participação em 19 distribuidoras locais. Em 2015, 49% da empresa foi vendida para a subsidiária brasileira da Mitsui.

No mês passado a Petrobras completou 67 anos de existência. É uma empresa símbolo do Brasil, resultado do movimento social pelo monopólio do petróleo nas décadas de 1940 e 1950. No processo que levou ao golpe de 2016, a empresa esteve entre os alvos da movimentação do governo norte-americano para desestabilizar a economia e a politica brasileiras, quando até utilizaram grampo telefônico na presidência da República para monitorar especialmente a política de petróleo e gás no Brasil.

Não por outro motivo a empresa acabou sendo atacada em vários flancos pelas ações do Judiciário e do Ministério Público Federal, que acabaram lhe custando muito e gerando uma crise enorme, que atingiu em cheio especialmente o Rio de Janeiro, em suas refinarias e plataformas.

Após o golpe de 2016, o governo golpista de Michel Temer colocou a empresa como central no processo de privatização, o mesmo sendo feito agora no atual governo, quando indiretamente, via Caixa Econômica Federal e BNDES, foram vendidas 16,2% das ações da empresa, restando o governo brasileiro com somente 50,2% da petroleira, limite para que mantenha o poder de decisão. (Brasil de Fato, 3/10/20)

Desde o ano passado já foram colocados à venda 382 ativos da empresa, entre 53 campos de extração, 39 plataformas, 13 mil quilômetros de gasodutos, 124 postos de gasolina, 12 unidades de geração de eletricidade e 8 de processamento de gás natural, além de participações em empresas estrangeiras. “No cardápio de vendas, os principais ativos foram a totalidade da Transportadora Associada de Gás (TAG), por R$ 34,6 bilhões, e 30% da BR Distribuidora, por R$ 9,6 bilhões – operação que resultou na perda do controle acionário da maior distribuidora de combustíveis do país.” (Sindipetro Unificado, 11/9/20)

A estratégia privativista da atual diretoria da Petrobras estará comprometendo não somente a empresa, como também a soberania nacional, é o que conclui o economista e pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep) e ex-presidente da Petros, Henrique Jäger. Por exemplo, explica que a privatização da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, “significa a privatização de 80% da capacidade de importação e tancagem de GLP por parte do Brasil. Isso é uma coisa seríssima, não é simples. O Brasil importa, atualmente, entre 25 e 30% de todo o GLP consumido nacionalmente – 80% dessa importação entra pelo porto de Suape e 20% pelo porto de Santos. A gente está falando de colocar no setor privado 80% da nossa capacidade de armazenamento de GLP importado” (Sindipetro Unificado, 3/8/20)

Mesmo contrário ao posicionamento da maioria da população, a privatização continua a passos largos. “Dois em cada três brasileiros são contrários a qualquer tipo de privatização. Essa estimativa equivalente a 67% foi verificada no último levantamento realizado sobre o tema pelo Instituto de Pesquisas Datafolha, em agosto do ano passado. No caso da Petrobras – a maior das estatais -, 65% dos entrevistados se opõem à sua venda.” (Brasil de Fato, 3/10/20)

O desmonte da empresa, sob o falso argumento de que concentrará suas atividades na extração de petróleo, custará muito caro para o país, tanto no que diz respeito à sua capacidade de agir no cenário internacional, passando a ser refém de empresas petrolíferas norte-americanas e europeias, no que se refere ao abastecimento interno de derivados do petróleo, como também vai impactar diretamente o custo de vida da população trabalhadora. Concentrando o refino no eixo Rio-São Paulo, a empresa deixará o resto do país à mercê de empresas privadas internacionais que ditarão o preço sem qualquer pressão popular.

Este está sendo o maior retrocesso havido na área desde a criação da Petrobras, e não será possível revertê-lo a não ser com a ruptura radical do quadro político nacional, com os trabalhadores assumindo o controle do Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas