HAMBURGUER_1
SHARE
COMANDO DE GREVE

O voto impresso é um direito democrático dos eleitores

Fim do direito de greve

Governo Bolsonaro “regulariza” o fim do direito de greve

As novas regras editadas por Bolsonaro significam o fim do direito de greve. Regulamentação do direito autoriza o desconto salarial dos grevistas.

Golpistas rasgam a própria Constituição para impor uma ditadura patronal sobre os trabalhadores – Reprodução

Publicidade

Redação do DCO

Dimitri Guandalim

O governo Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) definiu procedimentos para cassar o direito de greve dos funcionários públicos federais. Pelas novas regras, que entrarão em vigor no dia 1º de julho deste ano, os grevistas terão os valores descontados referentes aos dias de greve. Estes procedimentos vão servir como protocolo para os governos estaduais e municipais lidarem com movimentos grevistas que estouram por todo o País. Os golpistas tratam a questão como se fosse uma simples regulamentação de uma cláusula da Constituição.

O desconto dos dias de greve é uma ilegalidade, um ataque direto ao direito de greve garantido na própria Constituição Federal. A ameaça de desconto nos salários é uma maneira de intimidar os grevistas, com a advertência de que o fantasma da fome e da carestia será usado contra eles e suas famílias. É a tradicional política dos capitalistas de submeter pela fome.

Na prática, os golpistas consideram que os trabalhadores não têm direito de fazer greve. Caso façam, serão punidos severamente. O que se visualiza é uma ofensiva por parte do bloco político da direita contra os direitos democráticos conquistados pela mobilização operária.

Há tempos as instituições políticas do Estado capitalista têm realizado atentados contra o direito de greve. As medidas judiciais que classificam a “legalidade” da greve, que a julgam como “abusiva” e determinam uma porcentagem de trabalhadores que devem permanecer trabalhando são exemplos disso.

Na cidade de Araraquara, interior de São Paulo, o prefeito Edinho Silva (PT) descontou nos salários os dias parados dos grevistas. Servidores públicos municipais deflagraram uma greve contra o prefeito em protesto pela volta às aulas presenciais sem vacina no contexto da pandemia do coronavírus.

A cassação do direito de greve implica na imposição de uma ditadura do capital sobre o trabalho. Conforme a visão dos patrões, os trabalhadores devem suportar a retirada de direitos trabalhistas e previdenciários, o arrocho salarial e a perseguição política. Caso se revoltem e entrem em greve, fica autorizada a imposição da fome e carestia.

Para ser exercido plenamente,  o direito deve ser absoluto, sem qualquer regulamentação ou condição. Com o pretexto de regulamentar o direito de greve, Jair Bolsonaro quer cassar preventivamente este direito, com vistas impedir que os movimentos grevistas cresçam.

A retirada de direitos assumiu um caráter sistemático após o golpe de Estado de 2016. As medidas propostas pelo governo golpistas e neoliberal de Michel Temer (MDB), aprovadas pelo Congresso Nacional – controlado pelos partidos burgueses (PSDB, MDB, DEM, Republicanos, Progressistas, PTB, PSL, PL, SD) – se orientaram no sentido de acabar com os direitos trabalhistas e previdenciários.

A “reforma”  trabalhista destruiu as garantias previstas na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A lei das terceirizações gerais e irrestritas generalizou essa modalidade precária de regime de trabalho para diversos setores profissionais, tanto no setor público quanto no privado. Na sequência, vieram as medidas de congelamento dos investimentos públicos por vinte anos (2016-2036) e a imposição do teto de gastos.

Para minar a resistência dos trabalhadores, Michel Temer e o Congresso Nacional extinguiram o Imposto Sindical. Jair Bolsonaro avançou mais nesse sentido, com a proibição do desconto automático no holerite das mensalidades sindicais e a imposição do pagamento exclusivo através de boleto. A ideia é estrangular financeiramente os sindicatos, dificultar sua ação mobilização e, no limite, extingui-los definitivamente.

O fim do direito de greve é parte do conjunto de medidas dos golpistas com vistas a reorganizar as relações de trabalho. A crise econômica capitalista e a crise do regime político burguês implicam na imposição de medidas cada vez mais autoritárias e antidemocráticas.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.