Responde a processos no TCU
Em menos de 24h o governo Bolsonaro admite e retira presidente do Banco do Nordeste fruto de negociação com o Centrão.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
borges-cabral-1
Alexandre Cabral, exonerado nesta quarta (03). Imagem: reprodução. | Imagem: reprodução.

Após destituir da presidência Romildo Rolim, que estava no cargo desde 2017, na última segunda (01), com a indicação de Alexandre Borges Cabral, o qual tomou posse na terça (02), o governo Bolsonaro decidiu exonerar o indicado, menos de 24 horas depois de sua posse.

A exoneração veio após terem sido tornados públicos processos que Cabral responde, principalmente, uma investigação do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre irregularidades durante a sua gestão na Casa da Moeda em 2018.

A indicação foi fruto de negociação do governo Bolsonaro com partidos do Centrão, principalmente o PL (Partido Liberal) com o objetivo de aumentar a base de apoio do governo e foi avalizado por Paulo Guedes.

É claro que, toda essa negociata, gera prejuízos à administração da empresa e insegurança nos funcionários que não sabem qual a próxima “aventura” do governo na empresa.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas