Correios
Estudo farsa promovido por Paulo Guedes aponta que Correios possuem prejuízo de R$ 14 bilhões, visando enganar o povo para entregar a ECT para os capitalistas do mercado postal
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
WhatsApp Image 2020-10-31 at 19.55.44 (1)
Manifestação de greve da categoria. | Arquivo

Em matéria publicada pela golpista revista Exame no dia 28 de outubro deste ano, o governo fraudulento de Jair Bolsonaro, através do Ministério da Economia, apresentou um levantamento absurdo de que os Correios possuem um passivo de 14 bilhões de reais.

Segundo o estudo fraudulento do governo entreguista de Bolsonaro, esse passivo é a “explicação” para destruir um dos maiores patrimônios do povo brasileiro que é a ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos), demitir milhares de dezenas de trabalhadores da empresa e acabar com esse serviço público no Brasil.

Utilizando dessa informação fraudulenta, propagada nos órgãos da imprensa capitalista o governo Bolsonaro estabeleceu promover todo o processo de entrega dessa empresa (privatização) até o final do ano de 2022.

O levantamento farsa teria sido realizado por um departamento do próprio Ministério da Economia, controlado pelo mega corrupto e liberal Paulo Guedes, o Siest (Sistema de Informações das Estatais).

Os técnicos do Siest do Ministério da Economia apresentam que mais da metade dos 14 bilhões de reais dos passivos, ou dívidas dos Correios é de origem de pendências financeiras com o fundo de pensão complementar dos trabalhadores dos Correios, o Postalis, e do plano de saúde da empresa.

O restante seria de obrigações trabalhistas e de dívidas com fornecedores.

A farsa se revela no fato de que tanto o Postalis com o plano de saúde dos Correios está sendo custeado nesse momento pelos próprios trabalhadores.

O fundo de Pensão BD (Benefício Definido) foi saldado em 2009 pela empresa com o argumento de que o Saldamento evitaria dívidas para os trabalhadores, no entanto, após alguns anos, a empresa ainda assim passou a cobrar uma taxa dos trabalhadores para pagar o rombo do Fundo, provocado pelo Banco Mellon, um Banco dos Estados Unidos.

Já o direito dos trabalhadores usarem o plano de saúde de forma gratuita foi retirado dos trabalhadores, através dos ministros biônicos do TST (Tribunal Superior do Trabalho) em 2018, estabelecendo mensalidades absurdas para a categoria e retirando o direito de manter os pais e mães de funcionários nesse plano.

Quanto as dívidas trabalhistas adquiridas pela empresa vêm justamente dos vários planos de demissão da empresa, com o nome de demissão incentivada ou voluntária.

Também é necessário explicar que os gastos ordinários que a ECT possui com os Postalis e o com plano de saúde dos Correios são gastos que a empresa sempre conseguiu pagar com o próprio lucro produzido pelos próprios trabalhadores.

Bolsonaro quer quebras do monopólio postal dos Correios

Ao mesmo tempo em que o governo golpista de Bolsonaro manipula os dados econômicos sobre os Correios, apresenta medidas para destruir a organização dos Correios e sua função de preservação da soberania nacional, relacionada ao monopólio postal da Estatal em relação a entrega de cartas, impressos e telegramas.

O ministro golpista de Bolsonaro, Fábio Farias, genro do empresário Silvio Santos, apresentou a Casa Civil desse governo, o projeto de lei que pede ao Congresso Nacional a quebra do monopólio postal dos Correios no Brasil.

Todas as vezes, na história dos Correios, que o monopólio postal foi questionado, foi iniciativa de empresários concorrentes da ECT, mas como o governo Bolsonaro é inimigo das empresas públicas no país, e representante dos capitalistas locais e internacionais, dessa vez a iniciativa saiu do próprio governo.

Após ser apreciado pela Casa Civil, o projeto de lei encaminhado pelo plaboy, Fábio Farias, será encaminhado para o golpista Congresso Nacional, que após o golpe de 2016, vem aprovando todas as propostas de destruição dos serviços públicos e das empresas estatais no Brasil.

Bolsonaro quer destruição a categoria ecetista

Outro franco do governo de Bolsonaro para destruir os Correios, é o seu ataque feroz aos 95 mil trabalhadores dos Correios que entraram por concurso público. A campanha salarial da categoria, que promoveu uma greve de 36 dias pelos trabalhadores dos Correios, realizada em agosto/setembro de 2020 terminou com o maior ataque aos direitos e benefícios dos trabalhadores ecetistas.

Com a ajuda dos ministros biônicos do TST, e da capitulação das direções sindicais dos Correios, Bolsonaro está conseguindo roubar cerca de 40% dos ganhos salariais da categoria.

Os trabalhadores dos Correios que recebiam em média R$ 2.500, 00 (dois mil e quinhentos reais de salários), estão perdendo por ano cerca de R$ 10 mil reais de salários e benefícios, ou seja, perto de R$ 900,00 (novecentos reais) por mês.

Muitos dos trabalhadores do setor operacional que receberam seus contracheques no mês de outubro não receberam nem R$ 1.000,00 (mil reais de salário).

É uma política consciente dos golpistas para desmoralizar a categoria a fim de fazer com que os próprios trabalhadores peçam para ser demitidos, esvaziando com isso a empresa e facilitando o processo da privatização.

É preciso reorganizar os trabalhadores a fim de criar uma ampla mobilização dentro dos Correios e para fora da empresa em torno de uma luta contra os privatizadores dos Correios, os golpistas e o governo Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas