Obediência
Acordo mostra um governo de vira-latas submissos ao império norte-americano
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Cerimonia de posse do  presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Gustavo Montezano.
Montezano defendeu o alinhamento “total” da nova direção do banco com o governo federal, afirmou que a instituição buscará ajudar nos processos de desestatização, abrirá sua “caixa-preta” (promessa de campanha do presidente) e devolverá recursos ao Tesouro Nacional. Brasilia, 16-07-2019. Foto: Sérgio Lima/PODER 360
Tigrões com o povo e "tchutchucas" com o imperialismo | Foto: Reprodução

O ministro da Economia, Paulo Guedes, e a presidente do Exim Bank (Banco de Exportação e Importação dos EUA), Kimberly Reed, assinaram nesta terça-feira (20) uma carta de intenções de financiamento de até R$1 bilhão em exportações norte-americanas para o Brasil. Mais cedo, o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, havia manifestado a preocupação do governo Donald Trump com o fato da China ser o maior parceiro comercial do Brasil.

De acordo com o documento também estabelecerá compromissos de cooperação para a os setores de bens e serviços, com destaque para as áreas de telecomunicações e 5G, energia, logística, infraestrutura, mineração e manufaturas.

Acreditamos que o acordo de colaboração econômica entre os Estados Unidos e o Brasil terá resultados promissores. O presidente Donald Trump está comprometido com a prosperidade econômica, segurança nacional e com o direito à liberdade”, disse cinicamente Kimberly Reed.

EUA x China

O governo norte-americano faz uma campanha mundial contra a China em meio à uma guerra comercial contra o país asiático. No caso do Brasil, o governo Donald Trump vem pressionando pela redução da dependência das importações e de investimentos chineses, além da não adoção da tecnologia 5G produzida pela Huawei.

Com o aprofundamento da crise capitalista, as tensões entre o imperialismo norte-americano e a China vêm se desenvolvendo rapidamente, levando os dois países a uma constante guerra comercial. Por isso, é de interesse dos EUA que a empresa chinesa seja banida e que a China perca o controle da região

A guerra comercial contra a China demonstra que o imperialismo não admite concorrência e procura manter o domínio sobre o mercado mundial. O fator fundamental é impedir que os chineses avancem sobre os mercados controlados pelos países imperialistas, como as áreas de internet e tecnologia.

Governo golpista faz demagogia sobre acordo

Na cerimônia de assinatura do memorando, no Itamaraty, em Brasília, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o Brasil está abrindo os horizontes de investimentos.

Bolsonaro disse ainda que espera comparecer à posse para o segundo mandato de Trump, caso ele seja reeleito, nas eleições que acontecem em novembro nos Estados Unidos. “Não interfiro, mas do coração e pelo respeito que tenho ao povo americano e pelo trabalho e consideração que Trump teve para conosco, [é] que manifesto dessa forma nesse momento”, disse o presidente ilegítimo puxando o saco de seu patrão igualmente fascista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas