Nem livros, nem filmes
O governo Bolsonaro inaugurou uma política de ataque ao público da cultura, somando-se à série de ataques às instituições e profissionais do setor
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Cinema Vazio
Sala de cinema vazia | Foto: Reprodução

O presidente ilegítimo Jair Bolsonaro tem reiteradas vezes atacado os artistas brasileiros em seus discursos, considerando-os “inimigos do governo” sob a ótica fascista da doutrina de “segurança nacional” (isto é, a tentativa de impedir a articulação e expressão de qualquer oposição ao governo). Não bastasse o governo atacar aos artistas, agora os fascistas iniciaram uma política de atacar ao próprio público da arte e da cultura.

Neste último mês, duas propostas anunciadas pelo governo chamaram a atenção pelo seu caráter reacionário. Numa delas, o ministro da economia, Paulo Guedes, ao anunciar sua proposta de “reforma tributária”, propôs a unificação das contribuições sociais (PIS e Cofins), o que anularia a lei que zera a incidência desse tributo sobre os livros, impondo na prática uma alíquota de 12% a todos os livros vendidos no país. Na outra, a ANCINE, sob clara pressão das redes de cinema, está propondo a extinção da meia-entrada, alegando que 80% dos ingressos vendidos no país enquadram-se nessa categoria.

Governo Bolsonaro: inimigo da cultura

O governo Bolsonaro tem se destacado como um grande inimigo da cultura nacional. A principal política do governo Bolsonaro para a cultura é simplesmente destruir o setor, cortando todas as verbas públicas da pasta. A primeira ação do governo na área foi abolir o ministério da cultura, transformando-o em secretaria e entregando-o a figuras desprezíveis, como um imitador de Joseph Goebbels, uma atriz decadente e um ator do seriado malhação.

A mais importante política de financiamento à cultura no país, a chamada “Lei Rouanet”, foi totalmente sucateada com a saída da Petrobrás e da Caixa Econômica Federal do financiamento à cultura, por imposição do governo. Uma parcela enorme dos filmes, discos, espetáculos de dança e de teatro produzidos na última década foram viabilizados justamente pela contribuição dessas empresas estatais.

Recentemente, uma das cinematecas mais importantes do mundo, a Cinemateca Brasileira, detentora de um acervo audiovisual de valor inestimável para a cultura nacional, tem sido completamente destruída pelo governo, que se recusa a financiar as atividades da instituição.

Várias produções culturais têm sido censuradas no período, como filmes, performances de dança e livros. Isso significa que há uma tendência do regime político de reinstituir a censura em escala nacional, como já aconteceu no país durante o Estado Novo (1937-1945) e na ditadura militar (1964-1985).

A lista dos ataques do governo ilegítimo de Bolsonaro e do regime golpista como um todo à cultura é extensa. Mas o caráter geral é claro: impedir a livre expressão cultural no país, destruir o financiamento das atividades culturais e tornar o acesso à cultura impossível à maior parte da população.

O estado capitalista falido e o ataque à cultura

O problema do corte dos financiamentos à cultura em suas várias formas relaciona-se de forma direta com o problema do estado capitalista falido. De um lado, repressão ao povo. Mas de outro, necessidade econômica.

A decomposição do modo de produção capitalista, historicamente decadente e obsoleto, produz uma situação de inviabilização das taxas de lucro necessárias à reprodução capitalista. Em razão desse problema, os capitalistas têm de praticar grandes ataques ao direitos trabalhistas e aos serviços sociais para redirecionar esse dinheiro ao socorro de suas operações falidas pela crise.

Quando o governo pretende tributar os livros ou abolir a meia-entrada, isso não denota apenas um problema moral, de “maldade” dos governantes. O que fica expresso é o nível a que chegou a crise capitalista, que tem de se socorrer na abolição da meia-entrada aos estudantes e na taxação dos livros para evitar uma completa bancarrota.

O ataque à cultura, nesse sentido, não é apenas um ataque à educação e à expressão popular, como já seria de se esperar da parte de fascistas. É um ataque que tem um significado econômico fundamentalmente, que consiste na retirada de recursos da cultura, como também da educação, da saúde, dos salários, etc., para evitar a quebra dos monopólios capitalistas.

Organizar a classe trabalhadora contra os ataques do governo

Embora muitos setores, em especial da classe média, tenham iniciado movimentos de protesto em redes sociais contra as medidas de ataque a cultura, é essencial que se diga que esse tipo de mobilização é absolutamente inócuo, assim como são os panelaços e outras formas de protesto “simbólico”.

Como exposto acima, o problema que enfrentamos é fundamentalmente material (a crise capitalista, que impõe a necessidade de atacar a cultura) e, portanto, o enfrentamento deve ser dar também no campo material, e não apenas no plano “simbólico”. Contra o “absenteísmo” das redes sociais, é necessária a ocupação do espaço social nas ruas e locais de trabalho.

Por isso, para derrubar Bolsonaro e o regime golpista, e assim reverter as políticas de massacre do povo, é necessária a mobilização popular em passeatas, atos de rua, assembleias, greves, ocupações, que são formas de luta cuja eficácia é comprovada pela experiência histórica.

Os recentes ataques do regime golpista à cultura, que somam-se aos milhares de ataques, grandes e pequenos, ocorridos desde o golpe de estado, só podem ser contidos pela luta política. Por isso, mobilizar já pelo Fora Bolsonaro!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas