Menu da Rede

Apesar de todo o aparato, direita é residual nos atos

Fazendo o jogo do inimigo

Governo baiano imita direita e autoriza aulas presenciais

Tocando a mesma política dos governos genocidas da direita, Rui Costa, autoriza o retorno presencial das aulas.

Rui Costa Oliveira (PT), mostra que como a esquerda pequeno-burguesa segue as ordens da burguesia. – Foto por: reprodução.

Publicidade

Na última quarta-feira (5) o governo do Estado da Bahia, chefiado pelo petista Rui Costa, autorizou por decreto o retorno das aulas presenciais em toda a rede pública e privada no Estado. Segundo o decreto, a medida será possível para os municípios que estejam com percentual de ocupação dos leitos de UTI abaixo de 75% por cinco dias consecutivos, o que só será possível na capital Salvador que, nos últimos dias segundo a prefeitura, tem ficado abaixo dos 75% de ocupação.

As demais regiões do Estado não atingem esse percentual, sendo que, conforme boletim epidemiológico da secretaria de saúde do Estado neste sábado (8), o percentual de ocupação dos leitos de UTI é de cerca de 90%, com 1.267 pessoas internadas.

O governo diz ter autorizado o retorno “semipresencial” das aulas, onde estariam autorizados o retorno de 50% dos alunos de uma sala. O que, na prática, não significa muita coisa pois mesmo com um público menor, as condições nas escolas são as mesmas de compartilhamento de banheiros, copas, salas fechadas. Sem contar a péssima condição das estrutura física das escolas da rede pública, um velho problema que não foi mudado substancialmente.

Os argumentos falaciosos

Em primeiro lugar é preciso deixar claro que estes os argumentos utilizados para dizer que estão “acompanhando” os números da pandemia são uma completa mentira. Todos sabem que os números de infectados, de doentes graves e de mortos é uma verdadeira incógnita, que pelo fato de nunca ter havido testagem em massa, de não ter havido garantia de atendimento médico, simplesmente não é possível saber, de fato, a quantas anda a pandemia no Estado – assim como o é em todo o país. A Bahia tem um problema crônico no sistema de saúde pública, aonde boa parte da população sempre enfrentou graves problemas para ser atendida e, em casos graves, ter acesso a um leito de UTI.

Não é um problema que surgiu com a pandemia, ele só está muito mais grave, pois o número de pessoas infectadas e que precisam de atendimento médico intensivo é enorme. Mas, este fato de não ter unidades de saúde suficiente, de não ter médicos e enfermeiros, nem ter unidades de internação suficiente, é um dos principais responsáveis para que boa parte das pessoas doentes com a Covid-19 nunca passem no “radar” dos governos e fiquem fora das estatísticas de infectados e mortos da pandemia.

Outro aspecto que amplia esse engodo, é a famosa medição do percentual de utilização dos leitos de UTI. Uma outra falácia monumental que tem origem no mesmo ponto anteriormente citado. O Brasil e a Região Nordeste principalmente, possui um déficit gigantesco no número de leitos de UTI, fazendo com que sempre fosse um verdadeiro “suplício” para qualquer pessoa da classe trabalhadora conseguir ter acesso a um leito de internação. Sempre foi algo extremamente difícil e a pandemia somente ampliou essa dificuldade, criando situações verdadeiramente criminosas aonde, pessoas chegam a ser atendidas em unidades básicas de saúde, mas ao invés de serem encaminhadas para um leito de UTI são mandadas para casa depois de aplicada uma medicação paliativa, pois simplesmente não há leitos disponíveis. Um problema crônico no sistema de saúde brasileiro que acontece até nos hospitais privados da classe média.

Assim, o acompanhamento da situação da pandemia pelos percentual de utilização dos leitos de UTI é um verdadeiro engodo, uma mentira deslavada que todo os governos tem lançado mão, de forma cínica e desesperada, para fazer de conta que estão controlando a pandemia com suas parcas medidas. O que, no caso de estudantes e trabalhadores da educação, não significa nada dizer que o percentual de utilização de UTIs está em 75, 80 ou 90%.

Governo de esquerda, política de direita

Dito isso, o que fica mais do que claro com a liberação do retorno às aulas no Estado de forma superprecoce e sem embasamento real nenhum que possibilite dizer que a pandemia realmente arrefeceu, é a mesma política genocida tocada pelos governos da direita e pelo governo genocida de Jair Bolsonaro.

É neste ponto que afirmamos, que adianta ter um governador do Partido dos Trabalhadores (PT) se a sua política é idêntica à política dos governos da direita golpista e genocida de João Doria (PSDB) em São Paulo, de Ibaneis Rocha (MDB) no Distrito Federal, de Cláudio Castro (PSC) no Rio de Janeiro, de Rainho Júnior (PSD) no Paraná e muitos outros, que cometeram o mesmo crime de força a reabertura total da economia e o retorno presencial das aulas?

Rui Costa (PT), como governador da Bahia, tem se pautado inclusive pelo mesmo discurso agressivo contra trabalhadores que protestaram contra sua política direitista de privatizações, lembrar aqui da privatização do saneamento básico, contra a reforma da previdência que ele não perdeu tempo em reproduzir o projeto do governo Bolsonaro contra os servidores do Estado, ao apoiar os despejos e a violência da Polícia Militar contra os trabalhadores sem terra no campo e tradicional violência dessa mesma instituição contra trabalhadores nas periferias das cidades, ao permitir que a maioria dos trabalhadores sigam se aglomerando no transporte público dia após dia, fazendo vista grossa para empresários de ônibus e do metrô que reduzem a frota em plena pandemia.

Fica claro que a politica de conciliação de classes,  do governo de Rui Costa e outros, representam uma completa dominação pela direita, pelas oligarquias locais, não trazendo nenhum benefício para a classe trabalhadora. Pelo contrário, servem para que setores da esquerda (partidos) e da burocracia sindical sigam freando a luta das massas.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.