Governadores de esquerda, juntos com Bolsonaro para acabar com o direito à aposentadoria

reuniao-governadores

Na terça-feira (11), governadores de 25 dos 27 estados do país se reuniram para aprovar o roubo da previdência dos trabalhadores, ajudando Bolsonaro a retirar o direito à aposentadoria da população. Dentre eles, os governadores da esquerda do PT e do PCdoB.

Rui Costa (PT-BA), Camilo Santana (PT-CE), Wellington Dias (PT-PI) e Fátima Bezerra (PT-RN) decidiram se unir com a direita para roubar a aposentadoria e atacar o conjunto da população.

Os governadores da esquerda estão procurando se adaptar ao regime golpista e dos bolsonaristas. Apesar de apresentar o argumento de que não se trata da mesma reforma da previdência dos bolsonaristas, a verdade é que mesmo tirando a capitalização (proposta da esquerda), os governadores esquerdistas estão apoiando o projeto dos banqueiros para fazer o povo trabalhar até morrer.

Esse tipo de conciliação político apenas revela o caráter político da ala direita do PT e do PCdoB. Trata-se de políticos burgueses que se disfarçam atrás de uma roupa esquerdista e de partidos alinhados com a esquerda. Pode se dizer que são a ala esquerda do “centrão”. Por isso, por exemplo, o PCdoB apoiou Rodrigo Maia; por isso também, a direita do PT elogiou o pacote anti-crime de Moro e está procurando soluções para estabilizar o governo Bolsonaro, que a população já não aguenta mais.

As declarações de Rui Costa (PT-BA) em defesa da polícia assassina do povo e da cobrança de mensalidades nas universidades públicas, contra a greve dos professores e contra a derrubada do governo Bolsonaro, revelam que há todo um setor da esquerda oportunista, expressa de forma mais clara nos governadores, que busca uma forma de se aliar com os golpistas do PSDB, PDT e outros partidos totalmente falidos e inimigos da população.

É uma conclusão óbvia de se tirar. Basta ver toda a articulação que Haddad, apoiado pela direita petista, está procurando realizar com os “intelectuais” da direita golpista, principalmente com o PSDB.

É preciso denunciar intensamente a política de traição destes setores e partir para cima do governo Bolsonaro e de todos os ataques contra a população, que os oportunistas estão apoiando.