Manobra burguesa
Os capitalistas estão avançando no sentido de derrubar o Teto de Gastos, ou reformulá-lo, para evitar suas falências e manter seus lucros obscenos
Rio de Janeiro - Manifestantes fazem caminhada em protesto contra a votação da PEC 241, do teto de gastos, em ruas do Centro (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Manifestantes em 2016 indo às ruas contra a "PEC da morte" | Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Uma coalizão de 230 “organizações da sociedade civil” (Estado de S. Paulo, 29/7/2020), isto é, empresários e grandes capitalistas estão abrindo um racha no Congresso Nacional e no governo, segundo a imprensa golpista. Os capitalistas agora na pandemia estão querendo se despedir do teto de gastos que eles mesmo impuseram à população, para tirar do Estado e garantir seus lucros obscenos, que vem despencando drasticamente durante a pandemia mundial de Coronavírus 

A medida conhecida como “PEC da morte” foi impulsionada por uma gigantesca campanha da direita golpista em 2016, na marcha do golpe de Estado que derrubou o governo do PT para colocar um ventríloquo do imperialismo norte-americano e mundial, Michel Temer. A primeira coisa que os golpistas fizeram ao consumar o golpe. E foi imposta a força pelo governo golpista. A medida era tão impopular, e continua sendo, que houve diversas manifestações na época, que foram reprimidas a ferro e fogo pelos golpistas para passar o “ajuste fiscal”, incluindo várias ocupações de escolas e universidades contra o golpe e sua “obra-prima” na época que era esse Teto de Gastos.  

Na época em que a medida foi passada, sob o aval das bombas de gás lacrimogênio, balas de borracha e o interesse dos capitalistas, em especial o imperialismo, a direita golpista usava de pretexto cínico para congelar gastos públicos da educação e da saúde pública por vinte anos o “argumento” de que ou a reforma neoliberal passava ou o país quebraria, que a culpa do alto desemprego não era da crise capitalista que atingia em cheio o País, mas que era muito gasto do Estado no ensino precário e na saúde totalmente abandonada, coisa que fica clara agora no período de pandemia.  

O que não passa de uma fraude. O que temos agora é um genocídio de Estado, com uma saúde pública caindo aos pedaços em meio a uma pandemia gigantesca, e taxas de desempregos com recordes quebrados em toda história do País, onde o número de desempregados é muito maior que o número de empregados. O que era visado com a reforma da morte era a dissolução das garantias estatais para esses recursos acabarem nas mãos dos grandes capitalistas, aumentando seus lucros que já não estavam tão estratosféricos assim. Então, por que dar um golpe de Estado para passar essa reforma e agora pressionar para que ela seja extinta? 

O que acontece agora é que com a pandemia diversos setores golpistas estão indo literalmente a falência e o Teto de Gastos é uma pedra no sapato para os capitalistas reanimarem seus lucros com o capital do Estado. Para eles, é necessário retirar esse empecilho, não para investir na educação pública ou no caquético sistema público de saúde, mas agirem como verdadeiras sangues sugas sobre o aparato estatal, para tirar-lhe o que resta. É uma manobra claramente burguesa, para retirar o Teto de Gastos e pegarem esses recursos, ao mesmo tempo que não se mude uma moeda no dinheiro investido para o interesse da população. É preciso uma mobilização de massas para colocar o regime golpista abaixo junto com os capitalistas que agem como ave de rápida sobre a população. 

Relacionadas