Golpistas usam demagogia com animais para aumentar repressão contra a população

carrefour cachorro

No início deste mês de dezembro tomou as páginas da imprensa a noticia da morte de um cachorro nas dependências do Carrefour de Osasco (SP) causada por seguranças do supermercado. A notícia da morte gerou muita comoção e está sendo utilizada pela direita golpista para fazer demagogia com a população e aumentar a repressão através de leis mais severas.

O caso foi amplamente divulgado e impulsionado pela imprensa golpista através de vídeos e entrevistas com a população repudiando o caso e estimulando a indignação gerada para atacar ainda mais a população.

Tem que ficar claro que a extrema-direita está manipulando o caso para atacar ainda mais os direitos da população. A demagogia da extrema-direita é tamanha que dias após o ocorrido, foi aprovada na Câmara dos Deputados o projeto de lei que aumenta pena em casos de maus-tratos contra animais, com penas de até 4 anos.

Os deputados aprovaram o texto do relator, deputado Fábio Trad (PSD-MS), que ampliou o objeto do Projeto de Lei do deputado Ricardo Izar (PP-SP). É importante lembrar que foram aprovados projetos de lei de deputados de partidos originários da ditadura militar, que atacam indígenas e trabalhadores rurais sem-terra, defendem a redução da maioridade penal e a violência policial.

Recentemente, o prefeito Bruno Covas da cidade de São Paulo, pupilo de João Doria, estabeleceu a lei que proíbe o uso de fogos de artifícios considerados barulhentos para não causar estresse nos animais. Justamente a prefeitura que aprovou que a guarda municipal tenha o poder de “tomar” cobertores e pertence de moradores de rua, jogar água nesses mesmos moradores nas madrugadas congelantes de São Paulo e derrubar imóveis com moradores de rua dentro. Essa nova medida é totalmente absurda e demagógica.

Tomar medidas efetivas para resolver o problema de abandono de animais, como por exemplo campanhas de esterilização de animais e locais para as pessoas deixarem caso não tenham condições de manter o bicho, esses parlamentares sequer discutem, relevando ainda mais o que está por trás de leis mais repressivas.

Leis mais repressivas não resolvem o problema e nem sequer vão proteger de uma maneira mais eficiente os animais. Há vários exemplos de aumento de penas e leis mais rigorosas que não mudam em nada a situação de violência, frequentemente até pioram.

O que está em jogo não é a defesa dos animais e nem o fim dos maus-tratos. É evidente que a burguesia e a extrema-direita estão se utilizando do caso para atacar ainda mais a população através de leis mais repressivas.

A direita quer impor um verdadeiro controle sobre a população através de um estado policialesco para manter um clima de repressão enquanto aprova retirada de direitos e entrega do patrimônio nacional para o imperialismo.