Economia
O Senado Federal pretende votar um projeto que confere autonomia ao Banco Central na terça-feira (03). A política monetária ficará livre de qualquer controle social
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
banco-central-do-brasil-2-1-1200x720
"Autonomia" do Banco Central submete a política monetária aos interesses do imperialismo. | Foto: Reprodução

A votação de um projeto no Senado que confere autonomia para o Banco Central está prevista para terça-feira (03). O líder do governo Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) no Senado Federal,  Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), encabeça um movimento para acelerar a votação.

A autonomia do Banco central fará com que o BC brasileiro se assemelhe ao Federal Reserve (Fed) americano. Os bancos e instituições financeiras internacionais apoiam a proposta, pois é uma maneira de retirar qualquer tipo de controle popular sobre a política monetária dos Estados. O fato de que o presidente do BC preste contas ao presidente da República e possa ser nomeado e demitido livremente por ele, abre uma brecha para que haja algum controle social, uma vez que o presidente sofre pressões de diversos setores da sociedade.

A autonomia é uma proposta antiga da burguesia. O capital financeiro quer garantir a nomeação da autoridade monetária e dos diretores do Banco Central, de forma a traçar uma política que atenda, em tudo aquilo considerado substancial, aos seus próprios interesses econômicos. Isso significa que a política monetária de todo o país ficará à mercê dos interesses de especuladores e banqueiros nacionais e, sobretudo, internacionais.

No modelo atual, o BC é ligado e responde ao Ministério da Economia. Com a mudança, a autoridade monetária passará a ter o status de “autarquia de natureza especial”, livre de subordinação a qualquer ministério.

Outra importante mudança é a de que o presidente da República necessitará de aval do Senado Federal para demitir a autoridade monetária, diferentemente do que ocorre no modelo atual. A razão da mudança seria impedir supostas interferências políticas no BC. Na verdade, o capital financeiro quer garantir seu monopólio sobre a política monetária e afastar qualquer possibilidade de implementação de decisões políticas que não atendam única e exclusivamente aos seus interesses, em virtude de pressão das massas, que experimentam uma rápida deterioração das condições de vida.

Os partidos defensores da proposta, ligados ao capital estrangeiro, apontam que o fomento do pleno emprego e suavização das flutuações da atividade econômica passarão a fazer parte das atribuições do BC, além de controle da inflação e manutenção da da estabilidade financeira e do poder de compra da moeda.

O projeto de autonomia do Banco Central do Brasil responde diretamente aos interesses do imperialismo, que quer assegurar que a política monetária do país, em especial a rolagem da dívida pública e pagamento dos juros, estejam livres de qualquer controle popular, por mínimo que seja. É uma interferência externa na política interna do país, um atentado à soberania nacional.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas