Juventude
EAD é objetivo dos capitalistas para diminuir com a qualidade e os “custos” do ensino presencial
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Foto: Reprodução/Duckduck 60
As condições são extremamente desiguais | Foto: Reprodução/DuckduckGo

O secretário de educação do DF, João Pedro Ferraz, anunciou que o ano letivo de 2020 irá continuar à distância. As aulas serão retomadas obrigatoriamente a partir de 29 de junho e será usada a plataforma Google Sala de Aula com pacote de internet oferecido gratuitamente aos estudantes de escolas públicas.

Segundo o secretário, o governo do DF está trabalhando para que a maior quantidade possível de estudantes tenha acesso às aulas. Ele disse: “Se o estudante não tiver internet, entregaremos o conteúdo pela televisão. Se não tiver televisão, vamos tentar levar materiais de estudo até a casa dele”.

A educação à distância (EaD) se popularizou nos últimos anos no Brasil como um meio barato de acesso ao ensino superior da população trabalhadora que, em primeiro lugar, não teve acesso a uma educação preparatória aos concorridos cursos universitários públicos e, também, que não tem tempo e/ou meios econômicos para se dedicar a um curso universitário presencial. Os cursos à distância em universidades privadas são um verdadeiro faz-de-conta. Professores fingem que ensinam e estudantes fingem que aprendem. Tudo a um preço em conta para se conseguir um diploma de curso superior.

Não é de hoje que os capitalistas tentam enfiar esse sistema nos ensinos médio e fundamental, sob o pretexto de facilitar o acesso ao ensino. Na verdade, eles não investem em educação, salário, infra-estrutura, em nada. Eles só pensam na economia que terão se cada aluno ficasse em sua própria casa estudando como aqueles infames cursos técnicos via correio de antigamente.

O olhar sobre o EAD deve ser feito a partir de um regime político que sucateia há muitos anos o sistema público de educação. Os ataques dos governos estaduais e federal contra a educação são cada vez maiores, diminuindo a qualidade do ensino, fechando escolas e cortando salários e vagas de trabalhadores.

A quarentena das pessoas nestes tempos de coronavírus é uma desculpa que a burguesia quer aproveitar para avançar os ataques a todo tipo de ensino público. Existe um plano claro de destruição do ensino. O EAD significa corte de orçamento e diminuição drástica da qualidade do ensino. Duas coisas que a burguesia tem como objetivo.

Fica claro na declaração do secretário de educação do DF que a ideia é mostrar que o governo tomou alguma atitude frente à pandemia. A solução encontrada é cínica porque não soluciona o problema de alunos que não possuem internet, ao disponibilizar aulas pela televisão retira o direito do aluno à plataforma interativa da internet. Sem falar naqueles que não tem nenhuma das opção tecnológicas e terão de ir atrás de apostilas.

O governo Ibaneis, não é só na educação, é um inimigo do povo e deve ser combatido. Os estudantes precisam de mobilizar pelo Fora Ibaneis! e Fora Bolsonaro! Só assim a onda golpista irá começar a baixar e a situação começará a se reverter a favor da população trabalhadora. A esquerda deve combater frontalmente a substituição do ensino presencial regular pelo EAD e lutar pelo cancelamento do ano letivo até que as condições sanitárias estejam seguras para o retorno às salas de aula.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas