Heróis do Povo?
Depois de tanta demagogia com o #fiqueemcasa, burguesia mostra que pouco se importa em combater a pandemia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Rodrigo-Maia-e-Jair-Bolsonaro
Bolsonaro e Rodrigo Maia, representate da Frente Ampla "contra" o bolsonarismo e a pandemia | Foto: Reprodução

O Senado Federal, por meio de seu órgão IFI (Instituição Fiscal Independente), publicou neste mês de agosto seu Relatório de Acompanhamento Fiscal, que mostra que o governo Bolsonaro gastou  apenas pouco mais da metade da verba anunciada para a concretização de medidas de combate a pandemia do novo coronavírus. Dos R$ 511,3 bilhões em créditos extraordinários prometidos para combater a doença, o governo federal liberou somente 54%, o que corresponde a R$ 277,9 bilhões.

Dentre as medidas adotadas pelo Planalto, o auxílio emergencial é a que ocupa maior parte do orçamento. De R$ 254,2 bilhões destinados a esse auxílio financeiro, o governo federal pagou 66%, equivalente a R$ 167,7 bilhões. Tal valor já distribuído poderia ser maior, todavia o problema mais recorrente durante a pandemia é a série de falhas e anomalias na distribuição do auxílio emergencial, sinal da má vontade do governo Bolsonaro em oferecer esse dinheiro, embora nos últimos dias Bolsonaro tenha passado a ver o auxílio emergencial com outros olhares, vendo nele potencial para elevar sua popularidade. Muitos trabalhadores se aglomerando em filas em agências da Caixa Econômica por todo o país, com uma grande parte não conseguindo receber o auxílio, seja por supostamente não se encaixarem nos requisitos necessários para receber o benefício, seja por ainda estarem com o pedido sob análise, já passados cerca de 5 meses de epidemia no Brasil. Contraditoriamente, ocorreu de personalidades milionárias como, por exemplo, o empresário bolsonarista Luciano Hang, vulgo Véio da Havan, conseguirem sem demora e sem restrições acesso ao benefício.

Se, por um lado, o “bondoso” Bolsonaro quer dar apenas R$ 600 para a população, por outro o dinheiro prometido para financiar a folha de pagamento das empresas foi de apenas 11,5 % de seu valor, correspondente a R$ 3,91 bilhões. Já a compensação prometida pelo Planalto aos trabalhadores formais que perderam o emprego ou o mantiveram porém com salário reduzido chega a apenas R$ 20 bilhões (39% do valor anunciado). Resumidamente, o trabalhador recebe o baixo auxílio de apenas 600 reais, é demitido pois o governo federal deixa de contribuir com o pagamento de seu salário, já que a burguesia não quer arcar com o prejuízo provocado pela crise, e não recebe nenhuma compensação financeira por causa de sua demissão ou corte no salário. No que diz respeito a ações propriamente na área da saúde, o governo Bolsonaro gastou apenas metade do valor anunciado. De R$ 46,8 bilhões, gastou-se 50,6%. 

Apesar dos investimentos serem baixos para o tamanho do problema do covid-19 no Brasil, a burguesia já demonstra preocupação com o dito teto de gastos, a ser respeitado por seu lacaio presidente Bolsonaro. O pós-pandemia para os capitalistas deverá ser de compromisso da parte do Planalto com o ajuste fiscal. Diferentes levantamentos provocam a inquietação da classe burguesa, como a perda de receita líquida na primeira metade de 2020, sendo de 2,5% do PIB; aumento de gastos com a pandemia subindo em 40,3% acima da inflaçao no mesmo periodo; queda de 8,8% no PIB no segundo trimestre e aumento da divida bruta do governo para 85,5% do PIB, podendo chegar a 96,1% do mesmo ao fim do ano.

O suposto combate ao coronavírus prometido pela burguesia e a crença de que com a pandemia os capitalistas, num passe de mágica, se tornariam benevolentes não passaram de ilusão que até mesmo a esquerda pequeno-burguesa difundiu. O insuficiente dinheiro para combater a pandemia em grande medida chegou apenas na metade do valor prometido. São recorrentes os episódios de inação do governo federal e também dos governos estaduais e municipais, com ausência de testes para identificação do vírus, falta de fornecimento de equipamentos de proteção individual para a população no geral e para os profissionais da saúde. A verba que deveria ser passada para a classe trabalhadora por conta do fechamento do comércio, das demissões e dos cortes salariais não chega a uma imensa maioria, porém para os grandes capitalistas não há prejuízo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas