Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Os cortes no orçamento da Fundação Nacional do Índio (Funai) realizados pelo governo golpista deixaram as comunidades indígenas vulneráveis aos ataques de latifundiários, madeireiros e mineradoras.

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) emitiu nota denunciando violências sofridas pelo povo Karipuna, no estado de Rondônia. Invasores atearam fogo em um posto de Vigilância da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Está havendo um processo de entrada, loteamento e comercialização dos lotes, com desflorestamento e criação de gado, plantações ilegais por parte dos latifundiários, explica o secretário-executivo do Conselho Indigenista Nacional (Cimi) Cleber Buzatto.  É uma estratégia antiga do agronegócio, tomar dos povos a terra indígena usando a força, a violência, para depois legalizar essa posse ilegal.

A situação é tão grave que o Ministério Público Federal (MPF) de Rondônia advertiu a Funai que os índios do Estado estão sob grave risco de um genocídio por causa das invasões de terra.

As entidades de apoio aos povos indígenas Karipuna denunciam que esse problema tomou proporções gigantescas evidenciando que essa política de corte de gastos no orçamento da Funai e de invasão dos latifundiários nas terras indígenas são ações conjuntas do governo golpista.

É uma política realizada de maneira proposital para acabar de vez com as terras indígenas e entregá-las ao latifúndio, deixando os povos indígenas à mercê da fome, pistolagem e do genocídio realizado pelos golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas