Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

O golpe de Estado avança e persegue todo agente capaz de opor alguma resistência aos interesses do imperialismo no Brasil. Quando se trata da produção de commodities pelas empresas internacionais que atuam no País, a perseguição ainda é mais dura. O engenheiro agrônomo Vicente Almeida, concursado na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) desde 2005, foi demitido por justa causa.

Almeida já foi presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário (Sinpaf-CUT) no período que compreende de 2010 a 2013. Sua atuação como dirigente sindical foi orientada por debater amplamente a questão dos transgênicos, enfatizando os impactos ambientais que esses produtos podem  acarretar para a natureza.

A EMBRAPA vem sendo constantemente denunciada por violações ao Código de Conduta e ao Código de Ética, o que foi apresentado como justificativa para a demissão do engenheiro agrônomo. No entanto, as acusações e investigações de violações dessa natureza, se confundem com seu trabalho enquanto dirigente sindical e sindicalista. Isso configura uma clara perseguição aos sindicatos

O trabalho de Almeida enquanto dirigente sindical se pautou em denunciar as irregularidades cometidas pela EMBRAPA contra o meio ambiente; os direitos dos trabalhadores e assédio moral. O documentário “A vida não é experimento”, lançado pelo Sinpef-CUT em agosto de 2012, são mostras de sua desenvoltura política. É importante destacar que a EMPRAPA é vinculada com o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, cujo cargo de ministro é ocupado pelo ruralista Blairo Maggi (PP-MT).

Quando procurada para pedir esclarecimentos sobre a demissão de Almeida, a direção da empresa limitou-se a alegar  que a mesma foi resultado de um processo de sindicância que percorreu por um ano e que foi permitido o direito de ampla defesa. A empresa não atendeu as solicitações de transparência no processo de sua exoneração e não mostrou os documentos, como relatórios de auditorias, para endossar a demissão.

Dessa forma, não pode haver dúvidas, que se trata de um processo de perseguição política. O golpe de Estado, que derrubou uma presidenta sem crime algum, encontra uma dificuldade ainda menor em atacar um dirigente sindical. Por isso, a luta pela anulação do impeachment e contra a condenação e prisão de Lula, devem ser a orientação dos trabalhadores para evitar perseguições injustas como essas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas