HAMBURGUER_1
SHARE
COMANDO DE GREVE

A lenda da urna sem cabeça

Privatizando aos poucos

Golpistas demitiram 25% de funcionários de estatais em 6 anos

Os resultados do golpe de 2016 se tornam cada vez mais claros, e a perspectiva é devastadora.

Correios é uma das empresas mais atingidas – Foto: Jeso Carneiro

Segundo o Ministério da Economia, do início de 2015 até março deste ano, 25% dos funcionários de estatais brasileiras foram demitidos. Somando os números do Banco do Brasil, da Petrobras, da Eletrobras, dos Correios e da Caixa, as maiores estatais federais do País, cerca de 111 mil funcionários foram cortados de seus serviços nos últimos 6 anos.

O Panorama das Estatais, órgão responsável pelos dados, registra a permanência de 327.397 funcionários. Ou seja, aproximadamente um em cada quatro trabalhadores foram demitidos somente nesta época.

O período retratado não é, de forma alguma, uma coincidência. Em 2015, o processo golpista já estava a todo vapor. O governo de Dilma era completamente minado pela direita, cedendo, então, à imposição da burguesia da adoção de políticas cada vez mais neoliberais como forma de preparar o bote em 2016. Desde então, os ataques aos trabalhadores brasileiros foram se tornando cada vez mais frequentes.

Acima de qualquer coisa, a demissão generalizada de funcionários das estatais vem como uma manobra clássica da burguesia: sucatear para depois privatizar. É um projeto, e não um acidente do acaso. Não é à toa que as principais baixas são contabilizadas na Petrobras (-42%) e na Eletrobras (-45,8%). A primeira é alvo do imperialismo há muito, e a segunda acaba de ser privatizada após duras investidas dos inimigos do povo.

A burguesia utiliza a desculpa de que tais empresas já não são mais lucrativas – algo recorrentemente refutado, vide a situação dos próprios Correios. Por conseguinte, extingue cargos considerados desnecessários, improdutivos. É um lúcido processo de destruição das condições de trabalho dos trabalhadores. Afinal, para que servem 10 operários quando apenas 1 pode fazer o mesmo serviço, trabalhando dez vezes mais pelo mesmo salário? É aí que as estatais começam a rastejar. A burguesia tira-lhes as pernas e depois propaga que salvou a empresa ao entregá-la às doces mãos do capital estrangeiro (leia-se imperialismo).

Por mais que a crescente crise econômica brasileira tenha contribuído para este fenômeno, não é de maneira direta, acidental. A crise em si faz parte de um projeto do imperialismo, a burguesia apenas se aproveita da devastação deixada pela mesma para coletar os espólios que, nesse caso, se materializam por meio da privatização generalizada do patrimônio nacional. Ou seja, como sempre: capital. Esta tese é ainda mais fortalecida à luz do absurdo enriquecimento da burguesia durante a pandemia, consequência direta do fato de que, pela primeira vez na história, mais brasileiros estão desempregados do que com emprego.

Neste ponto, vale nos voltarmos à experiência de nossos companheiros ao lado. A política de golpes é imperialista e, portanto, global. Com isso, vimos, ao longo do século XXI a derrubada de uma série de governos nacionalistas em toda a América Latina. Verifica-se, assim, condições similares em quase todos os países ao redor do Brasil.

Além das estatísticas fornecidas pela burguesia, o mesmo panorama se confirma nas ruas. Durante mutirões de bairro, atividade defendida na prática pelo PCO, é corriqueiro o relato do desemprego, da miséria e do total abandono dos trabalhadores por parte do estado burguês. A crise é material, e quem mais sofre seus efeitos na pele é a classe operária, principalmente durante a atual crise do coronavírus que, sob a gestão da burguesia, já resultou na morte de mais de meio milhão de pessoas.

Fica claro, então, que a política golpista é a principal responsável pela situação aqui noticiada. Isso nos mostra que o golpe que se iniciou em 2013-2014 e derrubou Dilma Rousseff, acima de tudo, continua em marcha. Ainda mais agora que a luta operária contra o golpe está tomando forma é que os golpistas não vão parar. O objetivo é direto e claro, e não resulta em algo senão no desmonte do estado brasileiro e na dominação dos trabalhadores por parte do imperialismo estadunidense.

Prova disso é a tentativa de infiltração do movimento verde e amarelo nos atos da esquerda. Cientes das consequências que tal reação contra a burguesia pode acarretar, a direita se mobiliza para acabar com toda e qualquer possibilidade de uma reversão da relação de forças no panorama político nacional. E é exatamente por isso que agora é o momento em que devemos ficar mais atentos às manobras dos ratos da burguesia e desfazê-las.

Portanto, é preciso ir às ruas contra todos os ataques desferidos pela burguesia contra a classe operária brasileira. Contra as privatizações, as demissões, a fome, pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas. Entretanto, não podemos cair no mesmo golpe utilizado em 2013 para arrefecer a revolta popular. O verde e amarelo deve ser absolutamente banido de toda e qualquer manifestação da direita. A tentativa de infiltração por parte dos golpistas deve ser combatida e completamente esmagada. Caso contrário, a luta da classe operária no Brasil, e consequentemente, no mundo, continuará sofrendo duras investidas.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.