Golpistas deixam hospitais sem médicos, mulher protesta e é agredida pela polícia

dfd

Um reflexo da política impetrada pelos golpistas desde sua ascensão no regime político, está no sucateamento de políticas públicas de extrema importância para a população, como a Saúde. Com a aprovação da emenda 95 que limita os investimentos em saúde e educação por 20 anos, e que já vigora a dois anos, fora um fator chave para culminar no atual cenário que se encontra a saúde pública e educação do País.

Um exemplo prático disso, está no fato ocorrido no último final de semana, onde uma paciente que aguardava por atendimento em uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do bairro Laranjeiras, em Sorocaba (SP) fora agredida por guarda. Devido a precariedade do atendimento e descaso com os pacientes, a mesma protestava contra a negligência subjugada pelos golpistas no local, que estava sem a presença de médicos para fazer o atendimento devido.

Enquanto fazia uso de seu direito como cidadã, a mesma caminhava pelo estabelecimento e mostrava a situação na qual os pacientes estão colocados, filmando os locais e mostrando a ausência do corpo médico por meio de uma transmissão ao vivo. No momento em que se aproximou de onde se encontrava o guarda, próximo a recepção da UPA, a paciente foi solicitada pelo guarda que parasse a gravação de forma agressiva, e também após a manifestação de outro profissional da unidade.

No momento em que a mulher fazia as filmagens, e que se recusou a parar, o guarda da unidade se colocou prontamente de maneira truculenta a imobilizar a paciente com disparo de arma de choque. Demonstrando a característica prima do órgão repressor do estado, que em defesa dos interesse dos golpistas há de massacrar o povo de maneira indiscriminada, assim como no caso onde a ação covarde foi disparada contra uma mulher que protestava fazendo apenas filmagens denunciando o sucateamento da Unidade de Pronto Atendimento.