Neoliberalismo
Explosão da inflação é acompanhada por corte no valor real do salario mínimo, deixando a classe trabalhadora sem outra opção exceto mobilizar-se pela defesa de seus interesses
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
BRASÍLIA,DF,14.11.2018:BOLSONARO-REUNIÃO-MAIA - O Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) se reúne com o presidente eleito Jair Bolsonaro no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde ocorrem as reuniões da equipe de transição, em Brasília (DF), na manhã desta quarta-feira (14). (Foto: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress)
Regime político é controlado pelos banqueiros | Foto: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress
BRASÍLIA,DF,14.11.2018:BOLSONARO-REUNIÃO-MAIA - O Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) se reúne com o presidente eleito Jair Bolsonaro no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde ocorrem as reuniões da equipe de transição, em Brasília (DF), na manhã desta quarta-feira (14). (Foto: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress)
Regime político é controlado pelos banqueiros | Foto: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress

O presidente ilegítimo, Jair Bolsonaro, enviou ao Congresso Nacional no último dia 15, uma proposta para fixar o salário mínimo em R$1.088 no ano que vem. Com a medida, o valor do mínimo seria fixado pela expectativa de variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor -INPC-, de 4,1% para o ano.

Aqui já aparece o primeiro problema com o valor do salário mínimo, que é justamente sua projeção falsa. Ocorre que, ao contrário da projeção, o acumulado do INPC entre novembro de 2019 até o mesmo mês de 2020 ficou em 5,19%. Computando-se o acumulado do INPC, nas referências 11/2019 a 11/2020 -e desconsiderando-se ainda o mês de dezembro, que deve registrar nova alta-, o salário mínimo deveria então ser de R$1.099,24, e isto simplesmente para que não haja perda em seu valor de compra. O valor fixado, porém, traz uma perda real de R$11,24 para o poder aquisitivo do salário. Contudo, a situação da classe trabalhadora é ainda pior.

A situação geral dos trabalhadores brasileiros é tanto pior quanto se desconfia dos indicadores do governo e equipara o “aumento” oferecido com a vertiginosa subida dos custos de vida no País.

 

Sem ter onde morar

Tradicionalmente usado para renovação dos contratos de aluguel, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) apresenta uma variação superior a 24,5% nos últimos 12 meses. A defasagem em relação ao reajuste do salário mínimo fica gritante pela mera exposição da inflação na moradia.

Sendo uma necessidade vital do trabalhador, o custo elementar da moradia -desconsiderando-se ainda os custos relativos à manutenção e higiene do lar- não poderia ser simplesmente ignorado na formulação do salário mínimo -e nem é no texto constitucional- mas na prática, é exatamente o que acontece.

Com uma diferença tão brutal entre o reajuste salarial e a inflação dos aluguéis, superior a 20 pontos percentuais, algo tão elementar a qualquer ser humano como um teto decente vira um privilégio diante dos ataques impostos à classe trabalhadora pelo governo golpista de Bolsonaro.

 

Salário de fome

Sendo a alimentação uma das mais elementares necessidades de todo ser humano, a primeira comparação a ser feita para medir a validade do “reajuste” dado pelo regime de Bolsonaro será baseada neste item. Sem nenhuma surpresa, a defasagem entre o INPC a variação média das cesta básicas na maioria das capitais brasileiras é absurda.

Somente em Brasília, a cidade onde o preço médio da cesta básica apresentou a menor variação no acumulado dos últimos 12 meses (novembro/19 a novembro/20), este percentual ficou acima de 10%.

Isto significa que para os trabalhadores da capital federal, o reajuste deveria acrescentar R$104,50 ao salário mínimo, e isto -devemos lembrar- apenas para não perder poder aquisitivo na obtenção de alimentos.

Cumpre destacar que para todas as cidades restantes, o valor continuaria aquém da inflação verificada no setor de gêneros alimentícios, o que já ajuda a ter uma compreensão do quão irrisório é o aumento dado pelo governo. Como o salário mínimo tem abrangência nacional, há que se pegar não o menor aumento mas justamente o maior, verificado em Aracaju, com inflação superior a 36% no mesmo período.

Tomando os dados da capital sergipana como referência, deveria subir R$376,20, totalizando R$1.421,21

Para quem está com a expectativa de receber uma miséria que sequer disfarça a brutal exploração a que os trabalhadores estão submetidos, a perspectiva do salário acima parece ótima mas ainda está muito longe disso.

Isso porque, segundo o Procon-SP, o preço médio da cesta básica mais cara do País, na cidade de São Paulo, passou de R$930,19, em setembro, para R$949,98, em outubro deste ano.

Considerando a composição tradicional da família trabalhadora brasileira, dois adultos e duas crianças consumindo três cestas básicas, apenas para atender as necessidades alimentares, o salário mínimo praticado no Brasil deveria ser de R$2849,94. Apenas para satisfazer uma única necessidade vital.

 

Bolsonaro faz escárnio com os trabalhadores

Manifestando-se sobre o tema em live em novembro, Bolsonaro reconheceu o valor baixo mas minimizou a dura situação vivida pela classe trabalhadora e, comentando sobre o salário de fome pago aos trabalhadores que produzem uma das maiores economias do planeta, disse:

“Esse ano está difícil. Muita gente reclama, né? ‘Ah, o salário mínimo está baixo’. Reconheço que está baixo, mas não tem como aumentar”,

E acrescentou,

“Quem reclama vai ter a chance de montar sua empresa”.

Evocando um argumento cínico, o fascista disse ainda que “não tem mais de onde tirar dinheiro. Então, o governo vai dar uma fórmula, alguma ajuda, e o cidadão pode deixar de ser empregado, de procurar emprego, e montar sua própria empresa”.

Trata-se de um cinismo descarado. Tão logo a crise impulsionada pelo coronavírus explodiu no mundo, o governo brasileiro liberou mais de R$1,2 trilhão para os grandes capitalistas do País, além dos repasses trilionários -e criminosos- feitos a título de rolagem de uma dívida pública construída para fazer a fortuna dos banqueiros, um verdadeiro assalto legalizado.

Estes dois fenômenos econômicos demonstram com muita clareza um fato óbvio: existem recursos mais do que suficientes para garantir um padrão de vida elevado à classe trabalhadora. O que ocorre é que isto é incompatível com os interesses da burguesia.

Para atender as necessidades vitais da população, o salário mínimo deveria ser superior a R$5,5 mil, o que o coloca em defasagem com o futuramente vigente em mais de R$4,4 mil. Esta defasagem é histórica, mesmo nos melhores momentos dos governos de esquerda no País, ganhos reais a conta gotas diminuíram em medidas muito pequenas essa diferença. Contudo, desde o golpe de 2016, ficou claro que mesmo o pouco conquistado nos governos do PT não são aceitos pela burguesia, o que impõe a necessidade da classe trabalhadora tomar o poder efetivamente para, aí sim, ter seus direitos respeitados.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas