MBL e TSE querem impugnar Lula nas eleições

Kim-Kataguiri-MBL

Já foi provado inúmeras vezes que o Movimento Brasil Livre (MBL) é um grupinho artificial, corrupto e sem a menor sintonia com os interesses das massas. No entanto, toda vez que a direita precisa realizar alguma manobra delicada, os serviços de Kim Kateguiri e seus amigos são contratados.

Nos coxinhatos pró-impeachment, o MBL foi apontado como o principal eixo de mobilização do País. Contudo, os conxinhatos só existiram por causa do financiamento do imperialismo, da propaganda da imprensa golpista e da articulação dos representantes da FIESP – o MBL foi apenas uma forma de disfarçar os bilhões de dólares investidos no golpe.

Agora, após o golpe de Estado e a prisão de Lula, a direita se encontra diante de uma enorme crise por causa das eleições deste ano. Sem conseguir emplacar nenhum candidato, o imperialismo está sendo obrigado a assistir o apoio popular a Lula crescer cada vez mais. Por isso, o MBL teve de voltar novamente à ação.

O MBL entrou com pedido no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para que Lula seja declarado inelegível antes mesmo do registro das candidaturas. Como se o processo em si já não fosse absurdo, os fascistas do MBL ainda querem impedir que Lula sequer seja citado nas pesquisas de intenção de voto.

Nem o MBL, nem o TSE têm o direito de decidir quem deve ou não ser presidente. Embora o golpe de Estado esteja levando o Brasil para um regime cada vez mais fechado, o País ainda não vive ima ditadura aberta – e, portanto, o presidente da República deve ser escolhido pelo voto da população. O processo do MBL é, portanto, uma manobra  jurídica ilegal e golpista, o que revela a falta de escrúpulos da direita para manter o controle do regime político.

Os trabalhadores não podem aceitar essa provocação da direita fascista. É necessário sair às ruas para garantir a liberdade de Lula e que este seja eleito presidente. É Lula ou nada!