O golpe continua
Trata-se de um amplo movimento golpista e sem data de término, isto é, até que o imperialismo domine por completo toda a região.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Rafael Correa
Ex-presidente do Equador, Rafael Correa | Kenzo Tribouillard/AFP

Se ainda havia dúvidas quanto aos planos do imperialismo para a América Latina, o caso do ex-presidente do Equador, Rafael Correa, pode nos esclarecer a respeito: trata-se de um amplo movimento golpista e sem data de término, isto é, até que o imperialismo domine por completo toda a região. Nesta quarta-feira, 23, o tribunal da Corte Nacional de Justiça (CNJ), o mesmo que julgou em primeira instância o caso Subornos (2012-2016), ordenou a localização e captura de Rafael Correa.

Quando se trata de perseguir opositores, o imperialismo é rápido e eficiente. Dando sequência ao processo golpista, o juiz Iván León, depois de confirmar que o processo está “executado” ou “firme”, ordenou que nesta mesma quarta-feira os respectivos ofícios sejam enviados às autoridades policiais para “localização imediata e captura” dos condenados. Além de Correa, vários ex-funcionários, empresários e até mesmo Jorge Glas, vice-presidente do Equador (2013 a 2017), constam na mira do judiciário. Ademais, o Tribunal pediu ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) a perda dos direitos políticos de todos os condenados por um período igual à pena de prisão.

Através de notificação, o Tribunal de Primeira Instância declarou que “está previsto que, pela Secretaria – no transcurso deste dia – sejam expedidos os correspondentes ofícios, tanto ao Comandante-geral da Polícia, como ao Chefe da Polícia Judiciária, para a sua imediata localização e captura (dos condenados)”.

Essa movimentação não é mero acaso, visto que o Rafael Correa solicitara pela internet a inscrição de sua candidatura à vice-presidência. Vale lembrar que Correa recentemente desistiu da candidatura presidencial para ser vice; optou por não enfrentar o regime colocando-se como vice de seu ex-ministro Andrés Arauz. Evidentemente, o imperialismo não pretende dar espaço para nenhuma possibilidade aos seus opositores. Mesmo buscando um acordo com os golpistas, seguindo o exemplo de Cristina Kirchner na Argentina, a capitulação de Rafael Correa demonstrou, mais uma vez, que não adianta buscar uma aliança com o regime. Enquanto isso, fecha-se o cerco do imperialismo aos governos da América Latina.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas