Ditadura dos Campos
Os servidores públicos, assim como toda a população, não devem aceitar essa proibição antidemocrática, essa censura à liberdade de expressão
WhatsApp Image 2020-09-28 at 21.41.33
GM tenta impedir ato | Reprodução
WhatsApp Image 2020-09-28 at 21.41.33
GM tenta impedir ato | Reprodução

No último dia 28 (segunda-feira), os servidores do município de Várzea Grande (MT) realizaram uma carreata contra os ataques realizados pela prefeita Lucimar Campos (DEM) contra os servidores públicos municipais. A atividade foi organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público – Sub-sede Várzea Grande (Sintep- VG). Segundo o presidente do Sintep- VG, Juscelino Dias de Moura “foi um ato, hoje, dia 28 de setembro, em defesa e pela valorização do servidor público do município de Várzea Grande, que está há seis anos sofrendo com a gestão Lucimar Campos. Nós estivemos na rua hoje para denunciar as injustiças que a prefeita comete e vem cometendo contra os servidores públicos de Várzea Grande. E nós também denunciamos que, nesses seis anos de gestão Lucimar, os servidores estão sem progressão de carreira, estão sendo lesados em torno de R$250 a R$2000 cada servidor, estamos amargando quatro anos sem recomposição salarial”.

A carreata passou pelas principais avenidas da cidade e duas vezes a Guarda Municipal (GM), a serviço dos Campos, tentou impedir que o ato continuasse, inclusive colocando as viaturas no meio do caminho. Os servidores, no entanto, agindo acertadamente, não aceitaram essa censura e deram continuidade ao ato. Um dos argumentos da GM, acompanhada da secretária de Meio Ambiente, era que o volume do carro de som estava muito alto. Trata-se de um argumento cínico, pois os eventos dos Campos, muitas vezes realizados a noite, sempre se utilizam de um som altíssimo, ou seja, os Campos podem se expressar, mas os servidores não.

Juscelino relata: “Tentaram nos calar, mas nós não vamos nos calar porque é disso que eles têm medo, eles tem medo de povo na rua. Tentaram nos impedir na avenida Júlio Campos e na avenida 31 de Março. Jogaram o carro da guarda municipal atravessado no meio da avenida para que a gente não pudesse passar com o nosso carro de som, mas nós fomos corajosos e fomos para cima deles, conseguimos atravessar a avenida e chegamos onde tínhamos que chegar. Então estamos aqui pra dizer a toda a categoria que não tenha medo, que nós temos que dar um basta a esses ataques da prefeita Lucimar Campos. Chega de justiça! Chega de enganação! Chega de calote! Chega de golpe!”.

É preciso enfatizar que essa fala reflete a disposição de luta dos servidores e  que essa é a atitude correta a ser tomada. Os servidores públicos, assim como toda a população, não devem aceitar essa proibição antidemocrática, essa censura à liberdade de expressão, que mostra que em Várzea Grande existe uma ditadura da família Campos.

O Sintep – VG está preparando novo ato, ainda sem data definida. É preciso que, de fato, os atos se tornem cada vez mais frequentes contra a ditadura que se instaurou na cidade. Além disso, é necessário que os demais sindicatos do município se somem a essa iniciativa.

Veja o vídeo de um dos momentos em que a GM tentou impedir a realização do ato:

Relacionadas
Send this to a friend