Ditadura dos Campos
Os servidores públicos, assim como toda a população, não devem aceitar essa proibição antidemocrática, essa censura à liberdade de expressão
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
WhatsApp Image 2020-09-28 at 21.41.33
GM tenta impedir ato | Reprodução

No último dia 28 (segunda-feira), os servidores do município de Várzea Grande (MT) realizaram uma carreata contra os ataques realizados pela prefeita Lucimar Campos (DEM) contra os servidores públicos municipais. A atividade foi organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público – Sub-sede Várzea Grande (Sintep- VG). Segundo o presidente do Sintep- VG, Juscelino Dias de Moura “foi um ato, hoje, dia 28 de setembro, em defesa e pela valorização do servidor público do município de Várzea Grande, que está há seis anos sofrendo com a gestão Lucimar Campos. Nós estivemos na rua hoje para denunciar as injustiças que a prefeita comete e vem cometendo contra os servidores públicos de Várzea Grande. E nós também denunciamos que, nesses seis anos de gestão Lucimar, os servidores estão sem progressão de carreira, estão sendo lesados em torno de R$250 a R$2000 cada servidor, estamos amargando quatro anos sem recomposição salarial”.

A carreata passou pelas principais avenidas da cidade e duas vezes a Guarda Municipal (GM), a serviço dos Campos, tentou impedir que o ato continuasse, inclusive colocando as viaturas no meio do caminho. Os servidores, no entanto, agindo acertadamente, não aceitaram essa censura e deram continuidade ao ato. Um dos argumentos da GM, acompanhada da secretária de Meio Ambiente, era que o volume do carro de som estava muito alto. Trata-se de um argumento cínico, pois os eventos dos Campos, muitas vezes realizados a noite, sempre se utilizam de um som altíssimo, ou seja, os Campos podem se expressar, mas os servidores não.

Juscelino relata: “Tentaram nos calar, mas nós não vamos nos calar porque é disso que eles têm medo, eles tem medo de povo na rua. Tentaram nos impedir na avenida Júlio Campos e na avenida 31 de Março. Jogaram o carro da guarda municipal atravessado no meio da avenida para que a gente não pudesse passar com o nosso carro de som, mas nós fomos corajosos e fomos para cima deles, conseguimos atravessar a avenida e chegamos onde tínhamos que chegar. Então estamos aqui pra dizer a toda a categoria que não tenha medo, que nós temos que dar um basta a esses ataques da prefeita Lucimar Campos. Chega de justiça! Chega de enganação! Chega de calote! Chega de golpe!”.

É preciso enfatizar que essa fala reflete a disposição de luta dos servidores e  que essa é a atitude correta a ser tomada. Os servidores públicos, assim como toda a população, não devem aceitar essa proibição antidemocrática, essa censura à liberdade de expressão, que mostra que em Várzea Grande existe uma ditadura da família Campos.

O Sintep – VG está preparando novo ato, ainda sem data definida. É preciso que, de fato, os atos se tornem cada vez mais frequentes contra a ditadura que se instaurou na cidade. Além disso, é necessário que os demais sindicatos do município se somem a essa iniciativa.

Veja o vídeo de um dos momentos em que a GM tentou impedir a realização do ato:

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas