120 anos da morte de Verdi
Verdi foi um dos grandes compositores da ópera italiana e também um defensor da luta pela unificação da Itália
Verdi (1)
Compositor italiano Giuseppe Fortunino Francesco Verdi | Fotografia: Time Life Pictures / The Life Picture Collection via
Verdi (1)
Compositor italiano Giuseppe Fortunino Francesco Verdi | Fotografia: Time Life Pictures / The Life Picture Collection via

Giuseppe Fortunino Francesco Verdi, um compositor Italiano nasceu em 10 de outubro de 1813 em Le Roncole, uma vila próxima a Busseto, no distrito de Taro, uma cidade que na época estava dentro das fronteiras do Primeiro Império. Em um dos anos em que a Europa esteve em volta com a questão da propagação do republicanismo, devido às campanhas de Napoleão. Verdi está intimamente relacionado com a libertação da Itália, onde participou de um movimento chamado Risorgimento, o movimento político e social que levou à unificação da Itália.

Inclusive a peça “Va, pensiero, sull’ali dorate”, do terceiro ato da ópera Nabucco se tornou o hino dos patriotas italianos, um acrônimo para uma mensagem cifrada que deveria ser entendida como “Viva Vittorio Emanuele Re D’Italia”, se referindo a Vittorio Emanuele II, que em 1861 se tornaria o primeiro rei da Itália unificada, onde o compositor serviu brevemente no recém-formado italiano parlamento.

Sua importância está relacionada às lutas nacionalistas, ou seja, a revolução burguesa e seu nome é sinônimo da história da música italiana na segunda metade do século 19, ele é considerado se não o maior um dos maiores compositores de Ópera de seu tempo. Algumas de suas composições mais conhecidas e que permanecem entre suas óperas mais populares, são as óperas Rigoletto, Il Trovatore e La Traviata, criadas entre 1851 e 1853 e sua obra é central no repertório de todas as casas de ópera do mundo.

No entanto, a razão pela qual Verdi é importante, além das considerações musicológicas, pode ser encontrada em sua profunda afirmação de nossa humanidade comum, capturada e expressa na angústia expressada em sua obra. De Rigoletto em diante, não há heróis e vilões estereotipados em suas óperas, apenas pessoas retratadas com todas as suas forças e falibilidades, e com seu potencial tanto para a grandeza quanto para o mal.

Verdi passou grande parte de sua carreira lutando para que seu trabalho passasse pelos censores, que frequentemente levantavam objeções por motivos políticos ou morais, e ele teve que fazer mudanças substanciais no texto de Rigoletto, baseado em uma peça de Victor Hugo , banido por ambos inflamatórios e obsceno, antes que fosse permitido no palco. O realismo de La Traviata, com sua heroína cortesã e cenário contemporâneo, causou consternação e, ao longo da vida de Verdi, a ópera foi geralmente encenada no século XVIII.

Enquanto estava hospedado no Grande Hotel de Milão, quando sofreu um derrame, dia 21 de janeiro de 1901 e no dia 27 de janeiro de 1901, veio a falecer. Ele foi enterrado em uma cerimônia privada em Milão e um mês depois seu corpo foi movido para a Casa di Riposo per Musicisti, uma casa de repouso para músicos, um asilo que ele construiu para músicos aposentados. Nessa ocasião a música “Va, pensiero” da ópera Nabucco foi conduzida pelo maestro Arturo Toscanini a vasta força de orquestras e coros combinados de toda a Itália de 820 cantores. Até hoje, foi uma das maiores uniões artísticas, musicais, da história da Itália. Uma multidão esteve presente, algo em torno de 300 mil pessoas, que foram prestar suas últimas homenagens ao grande compositor, símbolo da luta pela unificação italiana.

Muitos cantores e maestros são atraídos por Verdi. Todas as suas óperas foram gravadas, muitas delas várias vezes, às vezes com edições diferentes que Verdi preparou durante sua vida ou fazendo cortes teatrais padrão.Os maiores intérpretes de sua obra são muitos para listar, mas entre eles talvez devam ser mencionados Maria Callas , Renata Tebaldi, Grace Bumbry, Carlo Bergonzi, Franco Corelli, Ettore Bastianini, Tito Gobbi e Nicolai Ghiaurov.

Relacionadas
Send this to a friend