Lava-jato em crise
É preciso defender a liberdade de todos os presos políticos, pois são vítimas das farsas da Lava-jato, que está longe de ser uma operação de justiça. Liberdade para Lula!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, concede entrevista.


Foto: Geraldo Magela/Agência Senado
Ministro STF Gilmar Mendes. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado |

Nesta quinta-feira (31), o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes determinou que fosse cumprido o habeas corpus emitido pelo supremo, que determinava a soltura de Anthony (PRP-RJ) e Rosana (PL-RJ) Garotinho. No geral, ele alega que não há motivos plausíveis e bem constituídos para decretar uma prisão preventiva dos dois. Sendo assim, decreta que respondam em liberdade as acusações de superfaturamento em contratos entre a Prefeitura de Campos e a construtora Odebrecht.

Notadamente, os últimos acontecimentos que envolvem a Lava-jato têm revelado a crise na qual o regime golpista está afundado. Essa, que é uma operação fraudulenta, vem sendo utilizada como instrumento político de ação dos interesses escusos do imperialismo. Seu caráter político está colocado desde o início quando foi utilizada para prender Lula e perseguir a esquerda com o objetivo de aprofundar o golpe de Estado e manipular os interesses dos golpistas.

No entanto, ao longo do processo, a operação recaiu sobre alguns setores tradicionais do regime político, como Sérgio Cabral (RJ), Pezão (RJ), Michel Temer (SP), ambos do MDB. O casal Garotinho faz parte desta lista de golpistas que caíram na Lava-jato, vítimas da briga de interesses dos donos do golpe de Estado no Brasil – isto é, os bancos dos países imperialistas. Esse conflito entre o imperialismo, que precisa “limpar o terreno” para aplicar a mais dura política neoliberal no Brasil, e os setores do chamado “centrão”, sobretudo alocados no MDB, que passaram a reagir de maneira mais contundente à ofensiva do imperialismo após a prisão de Michel Temer, está fazendo com que a Operação Lava-jato entre em um empasse.

A soltura do casal Garotinho é o reflexo de uma crise estabelecida da Lava-jato, sendo que tal crise reflete um “bate cabeça” entre os golpistas, que acirram essa disputa entre si no interior da burguesia. Outro sintoma claro da crise é o afastamento dos antigos líderes da Lava-jato, como Deltan Dallagnol, representantes dos interesses da extrema-direita e do imperialismo.

Diante de toda essa disputa no regime golpista, é extremamente importante a classe trabalhadora perceber que somente o ex-presidente Lula não é libertado. Afinal, as idas e vindas da Lava-jato se dão a partir dos interesses e disputas da burguesia, e não de uma iniciativa democrática por parte das instituições.

Vítima da perseguição dos golpistas através da Lava-jato, Lula se mostra um representante direto da classe trabalhadora. Sua liberdade custaria caro para o golpistas, que não conseguiriam conter a revolta causada pelo aprofundamento do projeto neoliberal de massacre aos trabalhadores. O ponto está em entender que a liberdade do ex-presidente não interessa agora a nenhum setor da burguesia, pois a polarização coloca claramente a situação: Lula vem pelos interesses da classe trabalhadora esmagada pelo golpe de Estado e pelo avanço da direita. Liberdade para Lula urgente! Eleições gerais! Fora Bolsonaro!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas