Com a bênção dos golpistas
Projeto “Volta Grande” no rio Xingú, maior garimpo à céu aberto com previsão de extração de 107,8 toneladas de ouro, avança em terras de assentados, ribeirinhos e de índios.
volta
Projeto "Volta Grande". |

Para a gigante mineradora canadense Belo Sun, é fato consumado.  É questão de tempo o início de exploração do solo da Volta Grande do Xingu, avançando em terras de assentados, de ribeirinhos, e também em terras indígenas. O escritório da Belo Sun na Vila Ressaca sinaliza que será para breve, o início das operações de mineração, que prevê extração de mais 100 toneladas de ouro. Desde 2012, a mineradora canadense desenvolve o projeto de instalação daquela que promete ser a maior mina de ouro a céu aberto do país na área de Volta Grande do rio Xingu, no Pará.

Apesar das contestações na Justiça

Ao final de 2017, a Justiça Federal cancelou licença ambiental concedida um ano antes pelo governo do estado do Pará. Enxurrada de denúncias de violações de direitos das populações ribeirinhas ameaçadas, assentados, pescadores, indígenas, e ainda ações da defensoria e do ministério público, levaram ao cancelamento da licença de instalação do mega-projeto.

Exigiu ainda a Justiça que a empresa fizesse consulta prévia às comunidades indígenas Juruna e Arara. Acusações contra a Belo Sun Mineradora vai de compra irregular de terras remoção compulsória de assentados, de violar os direitos indígenas e de moradores na região do Projeto de Assentamento (PA) Ressaca.

A canadense Belo Sun se instalou na Vila Ressaca. Montou escritório, ampliou as vias de acesso e fixou placas declarando ser propriedade sua, as terras, agora contestadas. A Belo Sun obtivera em 2016, licença de instalação de duas minas de ouro às margens do rio Xingu, na Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas), criando o que seria o maior projeto de extração à céu aberto do minério na América latina. Licença no ano seguinte, cancelada pela Justiça Federal.

O obstáculo é que, parte das terras que a empresa quer minerar é na área do PA (Projeto de Assentamento) Ressaca. Outro, ainda maior é que, mineradora do Canadá pretende avançar em terras indígenas das tribos Juruna e Arara. A Belo Sun, gigante mineradora mundial, não está só. Desde que recebeu sinal verde para o mega-projeto, foram aportados vultosos investimentos de ao menos quatro grandes players mundiais do setor de mineração, Agnico Eagle Miners, Sun Valley Gold Master Fund, RBC Global Asset Management e 1832 Asset Management.

Golpe remove entraves para avanço em terras indígenas

A emancipação de áreas de assentamentos, desafetação de áreas indígenas, são os entraves sendo removidos previstos na Lei 13.464/2017 de Temer, para a implantação do projeto “Volta Grande”, que prevê a extração em grande escala de 107,8 toneladas de ouro em 17 anos.

Consta Belo Sun, com a lei do golpe, nas tratativas junto ao Incra, para ser autorizada em avançar nas terras de assentados e de indígenas. Como se vê, mineradoras avançam – com as bênçãos dos golpistas – para explorar ouro em terras indígenas

Relacionadas