HAMBURGUER_1
SHARE
COMANDO DE GREVE

O voto impresso é um direito democrático dos eleitores

Sem vacina é crime

Genocida Mauro Mendes (DEM) quer reabrir as escolas de MT

A finalidade de uma direção sindical é preparar a base para o embate, para a greve. O SINTEP não pode apostar no recuo do governo do estado.

“Retorno apenas com vacina para todos”, palavra de ordem disseminada entre alunos, professores e a comunidade escolar. – Foto: SINTEP-MT

Publicidade

A pandemia do coronavírus tem ceifado milhares de vida no país e, especificamente em Mato Grosso, de acordo com o boletim epidemiológico n°450, divulgado nesta terça feira pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT), em números oficiais o estado já totaliza 10.984 óbitos causados pela COVID-19. O documento, bem como o pronunciamentos do então Secretário de Saúde do Estado, Gilberto Figueiredo, são claros em afirmar o que todos já sabem: a terceira onda da doença já se instalou no Mato Grosso e, mais uma vez, a covid-19 começa a atingir estágios de contaminação, mortes e ocupações em leitos alarmantes. De acordo com o supracitado Boletim epidemiológico, 25 municípios se enquadram como locais de risco muito alto” para a contaminação por covid e todas as demais cidades se classificam como locais de ‘risco alto’ para a contaminação.

Os dados apresentados acima deveriam ser suficientes para assegurar o não retorno presencial de aulas para qualquer pessoa bem pensante. Não é o que acontece com o governador Mauro Mendes e seu secretário de educação, Alan Porto. Em meio à terceira onda catastrófica do covid, sem vacina e com a ocupação crescente de leitos em hospitais, os gestores dizem que este é o momento certo para o retorno presencial das aulas.

Mesmo com a situação caótica, a portaria 333/2021, publicada pela Secretaria de Educação, previa o retorno ao trabalho presencial de todos os profissionais da educação, excetuando os casos de comorbidades previstos em lei. E em seguida, o retorno presencial dos alunos, a partir do dia 7 de junho. Nada disso está oficialmente mudado, apesar de algumas mídias estaduais apontarem mudanças na estratégia genocida do governo. Entretanto, sabemos que boatos midiáticos não são publicações em imprensa oficial. Como não se publicou no Diário Oficial do Estado nenhuma revogação à portaria 333/2021, entende-se que nada mudou, as aulas presenciais retornarão em breve, o governo não recuou e a categoria se encontra acuada.

A verdade é que com o aumento fora do controle da contaminação virológica, frente esse embate, a SEDUC lançou nota dizendo que o retorno presencial das aulas, através do chamado ‘ensino híbrido’, não aconteceria nas cidades de ‘risco muito alto’ para a covid-19. Significa que em todos os demais municípios, as aulas podem retornar, sem vacina, para assim assegurar o avanço da contaminação e possibilitar a uniformidade entre as cidades: uniformemente em colapso, garantir que todos atinjam o chamado “risco muito alto” para a doença.

Como reação a política de morte praticada contra os profissionais da educação, os alunos e os familiares dos alunos, a direção do SINTEP-MT deveria organizar a categoria para o embate. Deveria escutar o clamor das bases sindicais, impor a vacinação de todos como condicionante ao retorno presencial com segurança e organizar a greve para assegurar esta pauta central, caso o governo não a cumpra e, ao que tudo indica, não a cumprirá.

Entretanto, o que a direção do SINTEP faz é transformar palavra de ordem “retorno apenas com vacina” em algo inócuo, pois afinal, com a cartada da portaria 333/2021, não houve vacina, mas ocorreu retorno presencial de muitos profissionais da educação às escolas e, caso a portaria 333/2021 não seja revogada, em poucos dias haverá retorno presencial também dos alunos em várias cidades. E tudo isso sob os olhos conformados da direção sindical que, de algum modo inexplicável, diz perceber o recuo de Mauro Mendes e Alan Porto.

A verdade é que Mauro Mendes e Alan Porto estão, mais uma vez, atacando educadores e alunos como nunca e mesmo assim esta direção sindical aposta na ‘bondade’ ou no ‘bom senso’ do governador que já demonstrou exaustivamente ser o inimigo número um da educação no estado do Mato Grosso. O mesmo governador que abandonou funcionários contratados passando fome em meio a uma pandemia. Quem destruiu o plano de carreira dos educadores e enterrou a 510, a lei de dobra de compra. Este governador certamente não se sensibilizará com pedidos de clemência vindo das direções sindicais, até porque esta não é a função de uma direção sindical. Sua função primordial é organizar as bases para momentos de grandes embates.

Os educadores precisam estar preparados, pois os próximos dias serão de muita luta por sobrevivência. É fato que diante do exposto, a categoria deve estar presente nas deliberações sindicais. Deve se filiar ao sindicato, comparecer aos conselhos de representantes, pedir voz nas assembleias gerais do SINTEP, se fazer presente. Seguir o lema “estar presente para deliberar” e pressionar essa direção para ter atitudes mais contundentes contra os ataques de Mauro Mendes.

É preciso lembrar, inclusive a dirigentes do Sindicato, que Mauro Mendes não se compadece com o sofrimento do povo, nem tem bom senso no trato com a doença. Portanto, comparar Mauro Mendes e Alan Porto, como se o primeiro fosse sensato e o outro insensível parece ingenuidade ou mau caratismo mesmo. Alan Porto é o braço do governo na SEDUC e está fazendo exatamente o que seu patrão, Mauro Mendes, quer: chamar a população, isto é, profissionais da educação e estudantes para o campo de concentração, para se contaminarem e morrerem.

Mendes, do DEM, é um bolsonarista, empresário, capitalista que busca apenas lucro através da exploração dos mais pobres. É indiferente aos danos, aos óbitos, às perdas humanas que essa doença pode causar nas famílias dos alunos e dos profissionais da educação. Neste sentido, reforçamos que apenas atitudes mais combativas podem parar este governador e suas políticas. É preciso assegurar, através da greve, que o retorno presencial das aulas só acontecerá mediante vacina para todos.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

NA COTV

Com milhares nas ruas, Brasil terá frio recorde - Resumo do Dia nº 790 - 26/07/21

610 Visualizações 119 minutos Atrás

Watch Now

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.