Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
naisns
|

Da redação – O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, disse nesta terça-feira (06) que o impeachment da então presidenta Dilma Rousseff e a prisão do ex-presidente Lula, bem como outras perseguições políticas que estão ocorrendo no País, ocorreram em “total respeito à Constituição e às leis”.

No mesmo discurso, em evento sobre os 30 anos da Constituição Federal, ele afirmou que defende a reforma da previdência e o aumento da repressão ao povo com o fortalecimento da segurança pública de de operações supostamente contra o crime organizado.

Dias Toffoli tem, oficialmente, como assessor, o general Fernando Azevedo e Silva, um dos comandantes do Exército, que foi implantado no STF pelos militares para controlar a instituição. Na prática, o general é quem manda no STF, sendo o ministro apenas um boneco de ventríloquo que diz e faz o que os militares mandam.

Recentemente, Toffoli também disse que o golpe militar de 1964, que instaurou a mais brutal ditadura da história da República e que durou 21 anos, de “movimento de 1964”. Essa fala foi, claramente, reflexo da intervenção militar no Supremo.

A Constituição Federal, ao contrário do que diz Toffoli, foi violentamente rasgada com o golpe de 2016 que derrubou Dilma, e despedaçada com a prisão ilegal de Lula. Os militares tiveram papel preponderante em todo esse processo, e por isso Toffoli diz que foi algo absolutamente normal, defendendo os interesses de seus manipuladores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas