Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

A decisão do governo federal golpista na noite dessa quinta-feira, dia 15, de destituir o secretário de Segurança do estado do Rio de Janeiro, Roberto Sá, e em seu lugar colocar o general Braga Netto como interventor da pasta de segurança pública no estado marca uma nova etapa no golpe de Estado. Está claro, como vem falando alguns jornalistas da esquerda, que o Brasil se aproxima de uma ditadura militar.

Nesse momento, em que o Judiciário e a Polícia Federal golpistas se preparam parra colocar Lula na cadeia e que o carnaval demonstrou que exite uma gigantesca tendência de luta contra o golpe, a intervenção militar no Rio de Janeiro praticamente esqueceu os velhos disfarces da “segurança pública”. É uma intervenção quase que abertamente política.

E não poderia ser diferente. Os generais terão o controle direto sobre as polícias. Não se trata mais das tropas nas ruas, como vem acontecendo há muito tempo com a desculpa da segurança. Agora, o poder sobre todo o aparato repressivo estatal está sob o controle das Forças Armadas.

O noticiário da imprensa golpista não deixa claro, mas tudo indica inclusive que tal intervenção foi feita inclusive com muita pressão sobre o governador fluminense Luiz Fernando Pezão. De qualquer modo, a direita encontrou o pretexto para tal ação baseado principalmente na enorme fraqueza do governo, em grande medida plantada pela própria direita. O governo do Rio está em frangalhos. Já não tem autoridade sobre nenhum setor fundamental, com servidores se rebelando por conta de atrasos nos salários, o orçamento todo nas mãos dos banqueiros que chantagearam o estado, além do velho problema da chamada “segurança pública” que sempre foi a principal desculpa para a repressão generalizada contra a população.

Ao tomar o controle da segurança, o governo federal, ou melhor dizendo, as Forças Armadas, estão no controle do estado. A presença de Pezão é quase figurativa. Fato é que, do controle de todo o aparelho repressivo para o controle total do governo, a diferença é apenas formal. O Rio de Janeiro, com certeza é um primeiro passo para que a intervenção militar se alastre pelo País até que as condições para um golpe militar estejam dadas.

É preciso exigir a saída imediata dos militares do Rio de Janeiro e o restabelecimento do governo eleito, e a saída do general interventor.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas