General Heleno assume que espionou bispos: a preocupação com o Sínodo é de segurança nacional

heleno

Da redação – O general golpista Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), afirmou nesta terça-feira (12) que só dará explicações sobre denúncia de espionagem de bispos da Igreja Católica caso seja convocado, mas deixou claro em algumas declarações que espionou os bispos.

“Se fosse convidado, não. Se for convocado, sou obrigado a ir”, disse o golpista.

Deputados da esquerda afirmaram que têm interesse de levar o fascista para prestar explicações das atividades de inteligência sobre o chamado “clero progressista”. O problema é que a justiça golpista está nas mãos dos militares, que, inclusive, mudaram a instância de julgamento para a própria justiça militar, mas, mesmo assim, a esquerda pequeno-burguesa continua com a crença na justiça burguesa.

Como revelou o jornal golpista O Estado de S. Paulo, o Planalto recebeu relatórios com detalhes das reuniões de preparação do Sínodo da Amazônia, que reunirá em Roma, em outubro, bispos de todos os continentes.

“A preocupação com o Sínodo é uma preocupação real porque algumas pautas são de interesse da segurança nacional. Então acaba preocupando a Abin e o GSI, mas em nenhum momento (tem a ver com) espionar alguém, monitorar alguém, algo com essa conotação.[…] Quem cuida da Amazônia brasileira é o Brasil, não tem que ter palpite de ONG estrangeira, de chefe de Estado estrangeiro. O Brasil não dá palpite no deserto do Saara, no Alaska”, disse Heleno.

Sobre o fato de a esquerda, ou os progressistas, estarem sendo espionados, devemos dizer, primeiramente, que não há novidade alguma. Apenas está claro que a esquerda pequeno-burguesa tem um atraso no que se trata denunciar as táticas policialescas da atual ditadura em que vivemos. Os próprios militares disseram em declarações oficiais que estariam espionando mais de 80 organizações, preparando dossiês como na Ditadura de 1964, para que, em um próximo momento de avanço do golpe militar, cassem e torturem todos os opositores.

Outra questão que deve ser abordada brevemente é o entreguismo, o capachismo desses golpistas diante do imperialismo norte-americano, que nesta declaração querem se passar de “grandes defensores da Amazônia”. Na verdade, esses militares, como Heleno, invadiram o Haiti a mando dos EUA, estão “preparados” para invadir a Venezuela, estão entregando todas as empresas nacionais brasileiras a preço de banana e, cinicamente, querem falar que ONGs não têm que se meter em assuntos nacionais.

Então, deveriam não se meter na Venezuela, deveriam trazer de volta a presidenta eleita, Dilma Rousseff, que foi eleita e eles derrubaram e deveriam voltar de volta para o quartel onde é seu lugar.