General demitido: contra-ataque olavete no Ministério da Educação

ricardomachado

Da redação – A queda de braço entre os dois setores que disputam o Ministério da Educação, está agora pendendo para o lado dos olavistas, com a indicação do novo ministro Abraham Weintraub. O número um do MEC está reincorporando pessoas que foram relegados a cargos menos importantes por Veléz, quando este se afastou da ala olavete.

Nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 29 de março, para tentar amenizar a crise que tomou conta da pasta, o tenente-brigadeiro Ricardo Machado Vieira foi exonerado nessa quinta-feira (18), ele havia assumido o cargo número dois do ministério, o de secretário executivo.

A rivalidade teve início principalmente com a grande repercussão causada pelo grupo ligado a Olavo de Carvalho, por seu caráter e medidas polêmicas, causando revolta em profissionais da educação pelas decisões fortemente ideológicas, o que levou os militares à disputa pelo controle do ministério, buscando uma gestão menos confrontadora, gerando assim uma paralisação em uma pasta importantíssima para o governo.

A disputa evidencia também uma crise interna no governo de Bolsonaro, montado às pressas para tentar manter o controle do país, que se reflete na gestão do MEC, abalada pela enorme polarização do Brasil.