VAR: mais um escândalo
O goleiro do Botafogo, Gatito Fernandez se revoltou contra a aberração provocada pelo VAR que anulou dois gols legais do seu time
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
gatito (1)
Goleiro Gatito representou a revolta contra um sistema corrupto. | Reprodução

Pela sexta rodada do campeonato brasileiro, no sábado, se enfrentaram Botafogo (RJ) e Internacional (RS). O clube gaúcho chegou como favorito pela campanha inicial nas 5 primeiras rodadas com 4 vitórias e uma derrota, que já o colocava como primeiro colocado do campeonato, enquanto o Botafogo registra uma vitória e três empates.

O jogo se iniciou com ímpeto da equipe do sul, que abriu 2×0 com gols de Thiago Galhardo e Boschillia. Mas os donos da casa reagiram e foram em busca do empate e com boas jogadas balançaram as redes, com Matheus Babi e Bruno Nazário. Mas ambos fora anulados pela arbitragem de vídeo, o VAR.

Os dois gols foram regulares. No primeiro lance, aos 42 minutos do primeiro tempo, o árbitro de vídeo assinalou impedimento em ação de Rhuan que tabelou com Foster que tocou para Matheus Babi, que após bloqueio do zagueiro, bola sobrou para o atacante que marcou.

No vídeo é claríssimo que o atacante se encontrava na mesma linha do último defensor, dando condições ao jogador, situação que árbitro e bandeirinha concordaram e assinalaram gol, no entanto entrou em ação o VAR e os três árbitros de vídeo ordenaram a anulação do gol do time da Estrela Solitária.

Novamente no segundo tempo em lance que resultou no gol de Bruno Nazário o árbitro foi acionado pelo VAR para verificar um choque entre Babi e Patrick na origem do lance, onde na realidade o atacante botafoguense chega primeiro , toma o espaço e protege a bola com o corpo legalmente. No lance, nem bandeirinha, nem o árbitro Thiago Duarte Peixoto em sua interpretação do ato, perceberam ilegalidade, mas por orientação do VAR, o árbitro assinalou falta e anulou o segundo gol da partida pelo Botafogo. Outra denuncia que tem que ser aqui dita e que é reforçada por muitos árbitros é que há lances do futebol, como o caso do segundo gol da equipe carioca, em que a interpretação do árbitro é que deve decidir e o segundo gol era caso fiel desta situação. Não poderia haver sequer insinuação externa.

Além do que o Var impõe para os árbitros e bandeirinhas de campo, uma enorme pressão social para um árbitro que se negue a ir contra a decisão do Birô político da CBF, colocado na salinha de ar condicionado e que supostamente teriam as melhores condições de decisão.

Árbitros convidados por emissoras de TV para comentar o jogo foram taxativos, em nenhum lance houve irregularidade.

Ao final do jogo, que deu a primeira derrota ao Botafogo no campeonato, Gatito, goleiro e ídolo da torcida revoltado com a interferência criminosa do VAR, ao sair e passar pelo equipamento de TV do VAR, acerta um chute no totem que derruba o equipamento, situação que exprimia a dignidade do atleta que após o seu esforço(com grandes defesas) e da equipe foram penalizados com a retirada de seus gols legítimos.

Nas redes sociais a revolta foi generalizada contra o Var, como no comentário a seguir: “Isso que aconteceu no jogo do Botafogo agora prova que a presença do árbitro no futebol brasileiro é INDIFERENTE. O cara VÊ o lance, manda a jogada seguir e em seguida é chamado pelo VAR pra anular um lance interpretativo. Bizarrão.”

O comentário acima exprime o que há muito tempo este jornal denuncia a criação do VAR para manipular resultados.
Pelo seu ato, o goleiro pode ser punido por comitê arbitral da CBF e fica aqui a defesa deste diário, contra qualquer punição ao goleiro paraguaio do Botafogo e pelo fim do mecanismo de interferência sagaz nos resultados do futebol.

Extremamente propagandeado pela imprensa golpista, o VAR claramente demonstra seu propósito. É um sistema político para controlar os resultados do jogo.

Por detrás de discursos de “jogo limpo”, o que existe é um sistema que influencia os resultados dos jogos, diretamente e, consequentemente, dos campeonatos.

Além disso, o VAR simplesmente acaba com todas as raízes do futebol, é mais um ato arbitrário, demagógico e que serve para atacar o futebol, o esporte enraizado na cultura popular do povo brasileiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas