Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
3encontro_da_frente_nacional_produtiva_SG_02-02-2015_003
|

O fascista Jair Bolsonaro (PSL) diante da fraude das eleições e sua expressiva quantidade de votos, já está sondando nomes para montar os ministérios. Um deles é Luiz Antônio Nabhan Garcia que está contribuindo especificamente no programa de agronegócio.

A imprensa burguesa vem afirmando que Nabhan pode comandar o Ministério da Agricultura (MAPA) e do Meio Ambiente (que será incorporado no MAPA). Apesar do MAPA sempre ser comandado por agentes do latifúndio ou o próprio latifundiário, dessa vez Bolsonaro está colocando na pasta um latifundiário responsável por fundar e coordenar até hoje uma das entidades mais conservadoras e direitistas do campo, a União Democrática Ruralista (UDR).

Nabhan é um latifundiário que atua na região do Pontal do Paranapanema, no Estado de São Paulo, e fundou a UDR em 1985 na cidade de Presidente Prudente, após desapropriações realizadas na região. Então surgiu para combater com extrema violência o crescimento dos movimentos sociais de luta pela terra, em especial o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).

A UDR sob a coordenação de Nabhan, em especial no Pontal do Paranapanema, ajudou os latifundiários a formarem milícias de pistoleiros e o acesso a armas para atacar os gigantescos acampamentos que se formavam na região. Atacou e perseguiu duramente uma das principais lideranças do MST, hoje na FNL, José Rainha Júnior.

É uma organização que atua por meio da bancada ruralista contra os movimentos de luta pela terra, contra o combate ao trabalho escravo, contra pautas ambientais e de comunidades tradicionais. Desde a sua fundação atua para manter o país como uma colônia exportadora de matérias-primas.

Devido aos métodos utilizados pela UDR, a organização ficou enfraquecida nos anos do governo do PT. Mas com o avanço da direita e do fascismo, a UDR começa a ganhar fôlego e já começa a se articular para sufocar os movimentos de luta pela terra e os pequenos agricultores.

A UDR é uma das organizações da extrema-direita mais violentas do pais e não vai ser no voto que vai ser derrotada. No comando do MAPA, a UDR vai dar mais fôlego e acobertar a violência dos latifundiários, que após o golpe já mostrou com os anos mais violentos no campo. É preciso organizar os trabalhadores do campo e comunidades tradicionais contra o avanço do fascismo e derrotá-los nas ruas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas