Austeridade
Ao lado do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), Paulo Guedes afirmou que a violação do teto de gastos por Jair Bolsonaro poderia levar ao impeachment.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
paulo-guedes-e-rodrigo-maia
Guedes e Maia: trupe neoliberal | Valter Campanato/Agência Brasil

Paulo Guedes, Ministro da Economia do governo Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido), afirmou em coletiva de imprensa nesta terça-feira (11), que se Bolsonaro burlar a regra do teto de gastos públicos, aprovada no governo golpista de Michel Temer (MDB),  uma possível consequência seria a abertura do processo de impeachment.

Ao lado do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), Guedes disse que “os conselheiros do presidente que estão aconselhando a pular a cerca e furar teto vão levar o presidente para uma zona sombria, uma zona de impeachment, de irresponsabilidade fiscal. O presidente sabe disso”. Maia esclareceu  que defende a manutenção da austeridade sobre as despesas governamentais, mesmo em meio à escalada do desemprego, da miséria e com a expansão da pandemia do COVID-19. São mais de 100 mil mortos e 3 milhões de infectados, milhares de demissões e desemprego de mais de metade da população economicamente ativa.

Duas alas do bloco político golpista estão em confronto político. A ala abertamente neoliberal, correia de transmissão direta dos interesses do imperialismo, é liderada por Guedes, um Chicago Boy. Seu objetivo é única e tão somente a privatização de todas as empresas estatais, o patrimônio estatal e a entrega das riquezas naturais para o capital estrangeiro. O projeto é a submissão total do Estado brasileiro ao capital financeiro.

Jair Bolsonaro está sob enorme pressão em virtude da maioria da população repudiar seu governo e pela deterioração contínua das condições econômicas, que se reflete na piora das condições de vida da população. Os militares e o bloco político do Centrão no Congresso Nacional (MDB, PSDB, DEM, PTB, Republicanos, Progressistas), outra ala do bloco golpista, querem investir em obras públicas para se beneficiarem com a transferência de verbas estatais e fazer demagogia para as eleições municipais que se aproximam.

O que se verifica é que as duas alas disputam o controle do Estado e os recursos públicos. Os neoliberais são ferrenhamente opostos a qualquer violação à lei do teto de gastos públicos, um instrumento fundamental do capital financeiro para impedir que o Estado invista na educação, saúde, previdência, emprego, etc. Isto é, os grandes capitalistas têm um instrumento legislativo que impede que os interesses da população sejam atendidos e mantém o repasse pontual dos juros da dívida pública.

A catástrofe social e sanitária do coronavírus e as 100 mil mortes, de acordo com Maia, não são um motivo para o impeachment. Já a tentação de investir recursos para socorrer a população, violando a austeridade fiscal, é um motivo plausível. As declarações de Guedes e Maia revelam de maneira cristalina prioridade da burguesia diante da pandemia do COVID-19.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas