Ouro de tolo
A votação da última terça-feira não representou vitória alguma da esquerda
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
rodrigo maia
Rodrigo Maia chora de "emoção" com votação do Fundeb | Foto: Reprodução

Na segunda-feira (21), a Câmara dos Deputados aprovou uma proposta de emenda à Constituição (PEC) para renovar o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Como resultado, a União será obrigada a participar com 23% do fundo.

A esquerda pequeno-burguesa apresentou a votação do Fundeb como uma grande vitória dos trabalhadores e dos estudantes.

Nada poderia estar mais errado. Afinal, não houve “pressão” alguma dos estudantes sobre os deputados federais, nem tampouco dos trabalhadores. O mais provável é que a esmagadora maioria do povo brasileiro sequer sabe o que de fato seja o Fundeb. Quem aprovou o Fundeb foram 499 deputados, dentre os quais a imensa maioria é composta por vigaristas da pior qualidade. Votaram a favor do Fundeb não só a esquerda, mas também o DEM, o PSDB, o PTB e todo tipo de partido que ajudou a derrubar Dilma Rousseff em 2016 e que ajudou a colocar Bolsonaro no poder.

Sem a menor dúvida, o maior destaque da votação foi o picareta Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados e um dos principais articuladores da reforma da Previdência e de dezenas de ataques contra os trabalhadores. Maia chorou, literalmente, durante a votação. Fingindo emoção, declarou:

“São despesas que, na verdade, são investimentos nas nossas crianças e no futuro de tantos brasileiros”.

Se a direita toda votou a aprovação do Fundeb, se não houve mobilização alguma dos trabalhadores contra o parlamento, por que a esquerda estaria comemorando? Supostamente porque a aprovação garantiria maiores recursos para a educação. Afinal, o Fundeb é um fundo para que os municípios possam investir na educação.

A questão é que, enquanto Bolsonaro estiver no governo, a educação irá cada vez mais de mal a pior. O presidente ilegítimo tem tentado extinguir as eleições para reitores, privatizar as universidades, impor o ensino à distância para os filhos dos trabalhadores, censurar e patrulhar professores etc. Não será um fundo educacional que resolverá, minimamente, o problema da educação no País.

Quem de fato ficou satisfeito com o fundo foram os prefeitos e governadores, uma vez que receberão um valor maior da União. E, portanto, terão que comprometer menos recursos próprios com a educação. Ou seja, os prefeitos e governadores, que não querem investir na educação para que sobre mais dinheiro para seus negócios com a burguesia, foram os grandes beneficiários.

Essa votação é uma clara demonstração da política da “frente ampla”: não há ganho real algum para os trabalhadores, os parlamentares da direita que votaram a favor agora são apresentados como aliados da educação e a mobilização nas ruas contra o regime fica completamente secundarizada.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas