Governo racista
Sob o comando do bolsonarista Sérgio Camargo, entidade publicou nesta quarta-feira (2/12) nota excluindo 27 nomes de personalidades negras homenageadas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
sergio(1)
Sergio Camargo e Bolsonaro | Reprodução Twitter

A Fundação Cultural Palmares que – segundo seu sítio eletrônico, a primeira instituição pública voltada para a promoção e preservação dos valores culturais, históricos, sociais e econômicos decorrentes da influência negra na formação da sociedade brasileira – tem por atribuição valorizar a produção de negros brasileiros e combater o racismo, publicou nesta quarta-feira (2/12) uma nota com 27 nomes que foram retirados de uma lista de personalidades homenageadas.

Foram excluídos da lista:

Ádria Santos (atleta)

Alaíde Costa (cantora e compositora)

Benedita da Silva (deputada federal, PT-RJ)

Conceição Evaristo (escritora)

Elza Soares (cantora)

Gilberto Gil (compositor e cantor)

Givânia Maria da Silva (educadora)

Janete Rocha Pietá (arquiteta e política)

Janeth dos Santos Arcain (esportista)

Joaquim Carvalho Cruz (atleta)

Jurema da Silva (política)

Léa Lucas Garcia de Aguiar (atriz)

Leci Brandão (cantora)

Luislinda Valois (jurista e política)

Marina Silva (política)

Martinho da Vila (cantor e compositor)

Milton Nascimento (cantor e compositor)

Paulo Paim (senador, PT-RS)

Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva (pesquisadora)

Servílio de Oliveira (sindicalista e político)

Sueli Carneiro (filósofa e escritora)

Terezinha Guilhermina (atleta)

Vanderlei Cordeiro de Lima (atleta)

Vovô do Ilê (fundador do Ilê Ayê)

Zezé Motta (atriz e cantora)

Os motivos da retirada alegados por Sérgio Camargo, o bolsonarista que preside a instituição, foram que “é preciso relevância, mérito e caráter. A lista de Personalidades Negras Notáveis passa a prestar homenagens póstumas. Todos os que foram excluídos podem voltar um dia, pelo critério da contribuição histórica. Basta merecer”.

Essa não é a primeira polêmica que a Fundação se envolve desde o início da gestão de Sérgio Camargo. O atual presidente é filho do escritor Oswaldo de Camargo (poeta, ficcionista, crítico, historiador da literatura e um dos mais destacados escritores negros das últimas décadas) e, ao contrário do restante de sua família, ficou conhecido por suas posições conservadoras, por negar a existência do racismo, da escravidão na história do Brasil e defender posições revisionistas da história. Antes de assumir o cargo, Sérgio Camargo atuava como jornalista.

Em sua gestão Camargo promoveu uma série de ações que atacam a cultura afro-brasileira e se alinham com os interesses do governo federal de isolar os movimentos sociais. Entre os atos dele estão: Pedir o fim do movimento do movimento negro, excluir Zumbi dos Palmares da lista de personalidades negras e negar recursos a organizações religiosas de matriz africana.

Sérgio Camargo é a prova de que o fato de ser negro não qualifica ninguém para falar pelo povo negro. Sem alinhamento com os interesses e necessidades da população negra, ele é apenas um fantoche que valida a pantomima que é o governo do fascista Jair Messias Bolsonaro. A medida de retirar essas personalidades da lista de homenagens nada mais é do que uma ação para atender o presidente e seu grupo, provocando a esquerda e atignindo as figuras mais combativas do movimento negro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas