Recorde dobrado
Fuga de dólares recorde registrada em 2019 é mais que dobrada no terceiro trimestre de 2020, revelando a desconfiança dos grandes capitalistas com Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
dolar-cambio
Fuga de dólares vem batendo recordes constantes nos regimes golpistas | Foto: Reprodução

Após perder mais de R$44,5 bilhões no ano de 2019 – a maior fuga de capitais até então registrada – o País mais do que dobrou a perda de dólares na bolsa de valores de São Paulo (B3) no acumulado do mês de setembro. Até o 3º trimestre do ano, R$89,2 bilhões abandonaram o mercado financeiro, revelando de maneira muito concreta a desconfiança dos grandes capitalistas em relação ao regime que governa o Brasil de maneira ilegítima.

Na imprensa capitalista, três argumentações aparecem em destaque para explicar a a evasão de divisas em escala inédita no País: a crise política, o desequilíbrio fiscal e a finalmente a política ambiental  promovida pelo golpista Bolsonaro. Claro que quem acredita nesta última acredita em tudo.

Eleito em meio a um arranjo político elaborado às pressas, Bolsonaro tem demonstrado dificuldade em implementar o receituário neoliberal com o rigor desejado pelo setor mais poderoso da burguesia, ligado ao imperialismo. Este impasse reflete-se no reconhecimento por parte dos especuladores de que a situação política brasileira é cercada por dúvidas que tornam a atividade especulativa um risco. E isso se traduz concretamente no crescimento da dívida pública, o que aparece nas justificativas dadas por analistas do mercado financeiro sob o eufemismo de “risco fiscal”.

Com as contas públicas tão deterioradas, a devastação ambiental promovida pelo governo é a menor das preocupações da burguesia. Pelo contrário, se a fortuna deixada pelos governos do PT a título de reservas internacionais ainda não sofreu abalos significativos, é justamente pelas exportações de commodities do setor latifundiário da burguesia, que atingiram US$77,9 bilhões no acumulado do ano até o mês de setembro segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Contudo, chama atenção o fato de que mesmo diante da relativa estabilidade das reservas internacionais -mantidas na casa dos US$357 bilhões – e com todos os ataques cometidos pelo bolsonarismo contra a classe trabalhadora brasileira, a desconfiança dos grandes capitalistas com o governo seja tão profunda. Isto pode ser entendido como o anúncio de que os feitos de Bolsonaro ainda são poucos perto dos interesses da burguesia, especialmente dos setores mais ligados ao imperialismo.

O regime de ataques contra os direitos da população, sobretudo das massas trabalhadoras quer esmagar ainda mais o povo brasileiro, o que reforça a necessidade dos trabalhadores e da juventude se mobilizar pelo fora Bolsonaro, cuja política vem produzindo um genocídio no País e uma devastação econômica, equiparável apenas à de FHC e deve ser ampliada caso não enfrente um forte movimento de massas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas