Capitalismo decadente
A queda no investimento é mais uma consequência da gestão catastrófica dos golpistas ao lidarem com as consequências geradas pelo Golpe de Estado de 2016.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
32690340208_aaaa3c46d0_c (1)
Os golpistas mergulharam o país numa crise brutal e agora não conseguem resolver o problema. | Foto: Flickr/Midia News

Muito diferente do que os capitalistas falam através da imprensa burguesa, onde estes tentam justificar a fuga de capitais no país como sendo um fenômeno meramente resultante da pandemia do novo coronavírus, a realidade nos mostra que o comportamento dos investidores estrangeiros de evitar investimentos no Brasil é uma atividade causada pela crise econômica gerada pelos próprios golpistas.

Segundo dados da Conferência da ONU para Desenvolvimento e Comércio, durante o primeiro semestre de 2020 o Brasil registrou uma queda nos investimentos muito superior do que a média observada entre os demais países emergentes.

Houve uma diminuição significativa de 48% nos investimentos feitos no Brasil quando comparado com o mesmo período de 2019.  Foram US$ 18 bilhões aplicados no país entre janeiro e junho deste ano.

Desta forma, o Brasil caiu da 4ª para a 6ª colocação mundial em valores de investimentos, igualando os números do México. O G6 foi liderado por China, EUA, Alemanha, Irlanda, Cingapura e México/Brasil.

Além disso, é preciso recordar que a farsesca e hoje desmascarada Operação Lava Jato destruiu a força produtiva do país levando a indústria nacional à falência completa.

O Brasil em 2014, ano da reeleição de Dilma, registrava o menor índice de desemprego da história (4,8%), dois anos depois em 2016 ela sofreria um Golpe de Estado orquestrado pelo imperialismo norte-americano que desde Temer (MDB) e agora com Bolsonaro vem se apoderando das empresas nacionais remanescentes nos mais diversos setores produtivos.

Foram, portanto, em grande medida, as consequências do golpe e da gestão catastrófica da crise econômica brutal gerada a partir dele, que levaram o país a registrar o pior resultado entre a média das economias emergentes e um indicador mais negativo que a média registrada pelos países da América Latina que recebeu US$ 62 bilhões em investimentos no primeiro semestre.

O diretor do Departamento de Investimentos da Convenção da ONU, James Zhan, também destacou que o Brasil é, segundo a OMS, um dos líderes no número de mortes pelo mundo e que esse fator teria sido decisivo para afastar o aporte de capital no país.

Já os investimentos mundiais caíram 49% (acima da previsão anual que é entre 30% e 40%), a alegação das multinacionais foi a de que o impacto do confinamento teria provocado uma mudança nas decisões destas companhias em aportar recursos para novos projetos, cujos anúncios também caíram em 37% ante as fusões e aquisições que diminuíram em 15%.

A crise do capitalismo é, portanto, histórica e empurra a classe trabalhadora para um cenário onde serão necessárias grandes mobilizações populares para conter o ímpeto da burguesia em abraçar o fascismo, mais uma vez, numa tentativa desesperada para conter a revolta popular iminente e inevitável.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas