Siga o DCO nas redes sociais

trabalho escravo
Frigoríficos são denunciados por adquirirem carne de escravagistas
Redes de hipermercados são denunciadas por venda de carne adquiridas por latifundiários escravagistas, frigoestrela, Frigotil e Boi Brasil estão envolvidos nessa trama
KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA
trabalho escravo
Frigoríficos são denunciados por adquirirem carne de escravagistas
Redes de hipermercados são denunciadas por venda de carne adquiridas por latifundiários escravagistas, frigoestrela, Frigotil e Boi Brasil estão envolvidos nessa trama
Carrefour é um dos denunciados. Foto: shop boy/Flickr (CC BY-NC 2.0)
KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA
Carrefour é um dos denunciados. Foto: shop boy/Flickr (CC BY-NC 2.0)

A Organização Não Governamental (ONG) Repórter Brasil, em matéria de 18 de setembro de 2019, através de investigações, constatou que tanto o Hipermercado Pão de Açúcar, quanto o Carrefour e o Cencosud compraram carnes de frigoríficos que adquirem gado de pecuaristas que cometem crime de trabalho escravo contra seus funcionários.

Conforme a ONG, três frigoríficos estão envolvidos em venda de carne de compra de fazendas que estão incluídas na “lista suja” do trabalho escravo – cadastro do governo federal que identifica pessoas e empresas que flagradas que praticam esse crime.

Carrefour, GPA e Cencosud estão entre os quatro maiores grupos varejistas do país. As três redes se comprometeram no passado a não comprar produtos de empregadores que estão na “lista suja”. Carrefour e Pão de Açúcar assinaram o Pacto Nacional Pela Erradicação do Trabalho Escravo, de 2005, enquanto a Cencosud assinou carta de compromisso no ano passado. Juntos, esses três grupos correspondem a mais de 2000 lojas em todo o país.

Como em geral ocorre, quando são pegos em flagrante delito, os patrões sempre têm uma desculpa esfarrapada e, neste caso, também não é diferente, veja as explicações: O Pão de Açúcar suspendeu seus fornecedores, segundo informou a diretoria de Sustentabilidade do GPA à Repórter Brasil. Os frigoríficos que deixaram de vender para as lojas do grupo são Frigotil e Frigoestrela.

O Cencosud negou ter comprado carne de frigoríficos que negociam com fazendeiros incluídos na “lista suja” do trabalho escravo.

Já o Carrefour, inicialmente, afirmou que iria aguardar o posicionamento de seu fornecedor, e ao tomar conhecimento da denúncia, informou que “após apuração interna e esclarecimento do fornecedor, decidiu suspender a compra de produtos do Frigoestrela”.

Localizado em Timon (MA), o Frigotil comprou gado de dois pecuaristas na “lista suja” entre 2018 e 2019.

O frigorífico Boi Brasil, que possui três plantas de abate no Tocantins, também comprou gado de um pecuarista da “lista suja” em 2018. A Repórter Brasil identificou carnes da empresa sendo vendidas na rede de supermercados Bretas, em Goiânia (GO), também em 2018. O Boi Brasil não respondeu aos questionamentos encaminhados pela reportagem.

Os frigoríficos, os latifundiários, e as grandes redes de hipermercados, de conjunto, mencionado na denúncia da Repórter Brasil, não têm nenhuma preocupação de que os produtos que adquirem e vendem aos consumidores tenham a marca do chicote nas costas dos escravos, chamados por esses gananciosos de “colaboradores”, por isso, não se importam com as fiscalizações e as comprovadas denúncias, principalmente sendo apoiado pelo próprio governo do fascista Jair Bolsonaro estimulador de tamanhas atrocidades, com as vastas regiões queimadas em várias partes do país, por esses mesmos escravagistas.