Frigoríficos contribuem com o elevado número de mortes de trabalhadores no Brasil

lombador 2 - 03-12-2018

Mesmo com a redução do número de empregados no país, o aumento das notificações no Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) teve um aumento entre o ano de 2016 para 2017. Em 2016 foram 578.935 segundo o INSS e em 2017 895.770, levantamento realizado pelo Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Os números alarmantes de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais, apesar de destoantes, crescem todos os anos e, deve-se ressaltar que os dados levantados pelos órgãos de pesquisas, nem de longe refletem a realidade, no entanto mostram a carnificina que os patrões promovem em suas fábricas todos os anos.

Dentre a gigantesca gama de trabalhadores acidentados, três mil trabalhadores mortos somente no ano de 2018. Um verdadeiro filme de horror. Esse é o resultado das condições subumanas de trabalho, um verdadeiro regime de escravidão.

Os frigoríficos, com aproximadamente 1.200 fábricas aparecem como o ramo industrial mais destacado entre os demais ramos de atividades.
Este é o lema desses patrões gananciosos, não importa quantos trabalhadores percam a vida ou fiquem imprestáveis, sem jamais poderem trabalhar, desde que suas contas bancárias fiquem cada vez mais volumosas de dinheiro.