Siga o DCO nas redes sociais

Acidentes em frigoríficos
Frigorífico Aurora terá de pagar R$ 1,1 milhões por irregularidades
Cooperativa Central Aurora, dona do Frigorífico Aurora de Sarandi (RS) terá que pagar mais de um milhão e cem mil por manter irregularidades
Acidentes em frigoríficos
Frigorífico Aurora terá de pagar R$ 1,1 milhões por irregularidades
Cooperativa Central Aurora, dona do Frigorífico Aurora de Sarandi (RS) terá que pagar mais de um milhão e cem mil por manter irregularidades
Trabalhadores em mesa de corte em frigorífico
Trabalhadores em mesa de corte em frigorífico

Expirado o prazo para cumprimento das inúmeras irregularidades no frigorífico/abatedouro da Cooperativa Central aurora, de Sarandi, cidade do município do Rio Grande do Sul, Ministério Público do Trabalho (MTP) aplicou multa de mais de um milhão e cem mil reais.

A multa diz respeito ao termo de Ajustamento de Conduta (TAC), aceito pelos donos da Aurora, em consequência das inúmeras irregularidades no frigorífico, o valor será repassado em 12 parcelas.

Este processo de investigação se deu entre os dias 15 e 18 e a interdição se deu em 31 de maio deste ano e o motivo é de que o frigorífico mantinha e continua mantendo péssimas condições de trabalho, segurança e saúde de seus funcionários, na época foram registrados mais de 20 itens no laudo, porém o frigorífico continua a ignorar os problemas que faz parte do cotidiano dos patrões.

A fiscalização se deu para averiguar as irregularidades já denunciadas em fiscalizações anteriores e o que se verificou foi o aumento das irregularidades.

O frigorífico com 869 trabalhadores naquela época abate mais de 2.100 suínos por dia, são operários que sofrem pelo total descaso dos patrões do Aurora. As irregularidades envolve desde os vestiários que não possuem chuveiros, o desrespeito ao horário de trabalho regulamentado pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) que é de oito horas diárias. São situações de verdadeira escravidão, os funcionários trabalham muito acima do horário permitido, chegando, em determinados momentos, o que é quase que uma rotina, para dar conta da produção, a 12, 13, 14 ou mais horas.

A multa somente não soluciona os problemas enfrentados pelos trabalhadores, em primeiro lugar é uma multa irrisória, a qual os próprios patrões já contam com ela, além de ser insignificante diante do enorme lucro obtido à custa do suor e sangue dos trabalhadores utilizados, não como seres humanos, mas como verdadeiros objetos que se usa e joga fora quando bem entender, ou melhor, igual aos escravos do período colonial do Brasil.

É necessário a organização dos operários, através de mobilizações dos diversos setores da fábrica para exigir condições humanas de trabalho e se necessário, ocupar suas instalações, até que sejam solucionados todos os problemas.