Acidentes em frigoríficos
É uma rotina as irregularidades envolvendo condições de trabalho em frigoríficos e, por esse motivo, o frigorifico Agrodanieli tornou-se mais um interditado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Imagem do interior de um frigorífico. |

Desta vez foi o frigorífico Agrodanieli, localizado na cidade de Tapejara, município do estado do Rio Grande do Sul.

Conforme o Ministério Público do Trabalho (MPT) dos 16 setores fiscalizados, nove setores e atividades foram interditados conforme o laudo, a fiscalização constatou como de grave e iminente risco à saúde e à integridade física dos seus 1.350 funcionários. O grau é de risco três, numa escala até quatro, o que paralisou a fábrica, no entanto foi autorizada a prosseguir com as atividades na sexta-feira, para viabilizar o abate dos animais que estavam no pátio e em transporte.

Os patrões, para esconder o tamanho das atrocidades dentro do frigorifico não existe a palavra Comunicado de Acidentes do Trabalho (CAT), ou seja, dos 1350 operários foram identificados 389 acidentes, nenhum foi emitido esse documento.

Mais ainda, segundo a procuradora do MPT em Passo Fundo Priscila Dibi Schvarcz foi verificado, apenas no 1º semestre deste ano, alta emissão de atestados médicos na fábrica, em alguns casos chegando a quase metade do pessoal de determinados setores, como sala de cortes e recepção de frangos, e explica que é urgente a adoção de providências relacionadas a Ergonomia.

Foram interditadas os seguintes setores e atividades: plataforma (pendura), chiller (rependura), evisceração (separação e pendura de miúdos), miúdos e chiller (movimentação manual de caixas contendo gelo), embalagem secundária, paletização (remoção da tampa da caixa na operação da seladora) e cortes (embalar coxa inteira no copo da embaladora, inserir peito de frango na máquina filetadora e afiação de faca por trabalhador volante).

Foi proposto aos meliantes do Agrodanieli de acatarem o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) questão que, em geral os frigoríficos, na sua quase totalidade acatam. Porem nunca cumprem, a exemplo do grupo JBS/Friboi, onde foi condenado a pagar uma indenização de R$ 24.700.000,00 por aquisição de gado em áreas embargadas porem, conforme a Organização Não Governamental Repórter Brasil, as multas ambientais costumam não ser pagas. (Repórter Brasil – 02/07/2019)

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas