Esmagar o fascismo!
As ameças de morte à deputada Talíria Petrone (PSOL), após sucessivos ataques do fascismo, escancaram a necessidade de uma frente única para esmagar a extrema-direita
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
CUT-manifestação-na-paulista
É preciso que uma frente única se mobilize para barrar a ofensiva fascista e derrubar Bolsonaro | Foto: Reprodução

Essa semana a deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ) teve que ser escoltada pela polícia da Câmara dos Deputados, após sofrer diversas ameaças de morte da extrema-direita bolsonarista enquanto está em casa de licença maternidade. 

Esse novo fato político se encaixa perfeitamente no quadro atual de um aumento exponencial da ofensiva fascista no País, incluindo ataques à imprensa operária e independente. Como no caso do ataque a este diário (DCO), ao jornal A Nova Democracia e ao Ponte Jornalismo, todos atacados em um único mês por grupos fascistas. E também, no mesmo clima reacionário dessa ofensiva do fascismo, o ataque ao direito da mulher ao aborto, no caso da criança estuprada em Pernambuco, onde grupos ligados ao presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro invadiram um hospital para impedir o aborto da criança estuprada.

Todos esses eventos se caracterizam em uma ofensiva do fascismo no período curto de tempo de um mês apenas. 

O caso denunciado pela deputada Talíria Petrone é extremamente grave e atinge os direitos democráticos de toda população. As ameaças vêm sendo constantes e não é a primeira vez que isso acorre, sendo a segunda vez que foi denunciado pela própria deputada do PSOL. A primeira vez que a parlamentar sofreu ameaças de morte de grupos fascistas foi pouco antes do assassinato da vereadora Marielle Franco, em 2018, também do Rio de Janeiro. O assassinato da vereadora marcou a situação política nacional, sendo o primeiro assassinato claramente político de um parlamentar no marco do golpe de Estado de 2016.  

É importante destacar que os responsáveis pelas ameaças, que levaram a deputada a ter uma escolta pedida à Câmera dos Deputados, partem, se não do mesmo grupo que levou ao assassinato de Marielle, da mesma ofensiva da extrema-direita que avança a passos largos no País. A deputada classifica as ameaças como “um atentado à democracia no país”. Devemos salientar que as ameaças são, ainda mais, um ataque profundo do fascismo sobre a esquerda e as organizações operárias e devem ser amplamente denunciadas por toda esquerda brasileira, que deve se levantar frontalmente contra essas atitudes intimidadoras, típicas da extrema-direita. Inclusive, é fundamental reagir à altura a esses ataques para não se ver mais desfechos como no caso de Marielle. 

No mesmo sentido, o jornal maoísta A Nova Democracia foi alvo de um ataque do mesmo fascismo bolsonarista na semana passada, sendo o ataque notório mais recente. O grupo definiu o ataque como uma “sabotagem” à organização do jornal e consequentemente da própria organização do grupo. No caso d’A Nova Democracia, o ataque foi frontalmente mais aberto. Um grupo de supostos técnicos invadiu a sede do jornal, alegando que estavam ali para ajustar problemas da conexão da internet. Nesse momento, os “técnicos” que na verdade eram um grupo de extrema-direita, danificaram a estrutura física do jornal cortando cabos e danificando toda rede de internet da sede. Essa atitude mostra como o fascismo está claramente em uma ofensiva, já que o ataque ao jornal maoísta foi o único presencial.  

Na esteira dos acontecimentos temos também o ataque ao jornal independente Ponte Jornalismo, que depois de sucessivos ataques de hackers teve seu servidor invadido. Na invasão, o grupo hacker se dedicou a empastelar totalmente o jornal. Todo seu acervo foi retirado do ar, todas as matérias foram destruídas. A estrutura do site foi totalmente desmantelada e por fim o site saiu do ar durante todo o dia que marcou seu ataque. 

Na mesma linha, tivemos o ataque a este diário, o Causa Operária, que no dia 18/07 foi invadido no mesmo sentido que o Ponte Jornalismo. Fascistas invadiram o servidor do site e destruíram sua estrutura, além de um acervo de 4.000 matérias que foram destruídas pelos fascistas em pouco menos de uma hora. A ataque só não foi mais profundo e acabou tendo o mesmo desfecho do Ponte Jornalismo porque os militantes responsáveis por manter o site no ar descobriram o ataque e o barraram. Essa ofensiva levou o Partido da Causa Operária a fazer uma campanha de solidariedade contra o empastelamento da imprensa operária, não se calando diante da ofensiva fascista e chamando todos os setores a denunciarem essa barbárie. 

Esses quatro acontecimentos, as ameaças à deputada do PSOL e os três ataques aos jornais operários e independentes, se colocam na mesma ofensiva do caso da garota de dez anos que, após ser estuprada consecutivamente,  teve que escapar de grupos nazistas de extrema-direita para realizar a prática, garantida por lei, do direito do aborto. O caso foi um dos mais escandalosos do cenário nacional nesse mês. Sendo ainda que a ativista fascista Sara Winter divulgou ilegalmente o nome da criança, seus dados mais privados como endereço, a mando da ministra bolsonarista Damares Alves. Que, vale ressaltar, conseguiu os dados em uma clara ação paraestatal e ilegal. Além de escandaloso, deixou claro a ofensiva da extrema-direita em extinguir os direitos básicos da população, como o direito da mulher a realizar o aborto legal, que seria duplamente qualificado nesse caso, decorrente de estupro e se tratando de uma criança de dez anos de idade. 

Todos esses casos mostram que há uma nova tentativa em curso de avanço da extrema-direita contra a população, seus direitos democráticos e suas organizações de luta. É preciso parar esse avanço, enfrentar e destruir a extrema-direita com uma grande mobilização dos trabalhadores da cidade e do campo, em torno de reivindicações democráticas e de seu próprio interesse. Isso só será feito com a união das forças populares, dos movimentos sociais, partidos de esquerda com alguma base nas massas, sindicatos e organizações populares, sem crenças nas instituições burguesas que são controladas pelos golpistas e a extrema-direita. É preciso sair às ruas, partir para uma ofensiva contra o fascismo frontalmente, em uma frente única prática pelo Fora Bolsonaro, contra o fascismo e o golpe militar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas