“Frente Democrática” de Ciro Gomes é uma frente com Bolsonaro e contra o PT

Debate-Aparecida-Ciro-Alckmin

O abutre-mor Ciro Gomes fez uma transmissão ao vivo em sua página de Facebook em que deixa explícita toda sua política. Fica claro que sua iniciativa de formação de um “campo democrático” não passa de uma maneira sutil de sustentar o regime golpista e o próprio governo Bolsonaro – que ele demonstra não querer combater.

A Frente “Democrática”

Quando perguntado pelos internautas sobre a articulação com os partidos ditos da “esquerda” do regime político, como o PSB e o PCdoB, Ciro Gomes define o bloco como sendo um movimento puramente parlamentar e que procura, não combater o governo Bolsonaro, mas “obrigá-lo a respeitar os limites da institucionalidade democrática”.

Segundo Gomes, a tarefa da Frente é “organizar o movimento nas mesas da Câmara e do Senado Federal, que são trincheiras onde iremos estimular o Bolsonaro a jogar o jogo democrático e se ele quiser transitar fora deste jogo, nós vamos obrigá-lo a respeitar os limites da institucionalidade democrática”. E desta forma, a Frente seria a salvação do povo brasileiro para “garantir a normalidade democrática”.

Ou seja, Ciro Gomes deixa claro seu apoio ao bloco golpista, sendo sua frente apenas a ala “democrática” do regime fraudulento – como se isso fosse possível. Primeiro, fica claro que, para ele, a suposta oposição a Bolsonaro não se dará nas ruas, por meio de uma mobilização revolucionária dos trabalhadores, mas dentro das “trincheiras” das instituições golpistas, como o Senado e a Câmara Federal.

Além disso, a tal trincheira não busca estimular e nem fazer uma campanha ferrenha contra Bolsonaro e os ataques dos golpistas (até porque a própria Frente é composta por partidos golpistas, mas voltaremos nesse assunto depois). O objetivo do tal “bloco progressista” é simplesmente “estimular o Bolsonaro a jogar o jogo democrático”, que não é explicado por Ciro do que se trata.

O “jogo democrático” é a chamada “normalidade democrática”, mencionada por Gomes, que na verdade é o atual regime golpista totalmente antidemocrático. A fraseologia “democrática” de Ciro Gomes é a mesma que o imperialismo, através do Financial Times e The Economist, usa. Sendo Bolsonaro sustentado fundamentalmente por um setor mais fraco da burguesia, os setores mais poderosos precisam pressioná-lo no sentido de sua própria política, para que a extrema-direita não saia do controle.

E, portanto, “garantir a normalidade democrática” é na verdade garantir que o atual regime, do qual se originou Bolsonaro, continue seus ataques contra a população. Ciro Gomes e sua frente são então a oposição consentida da direita golpista – ao estilo do que era o MDB na época da Ditadura Militar. Esse tipo de oposição é necessária para a burguesia sustentar seus ataques contra o povo, pois tenta colocar as esperanças da população, não na luta política efetiva, mas na demagogia e na fraseologia “combativa” de parlamentares oportunistas da própria burguesia.

Contra a política de luta dos trabalhadores

É por isso que Ciro Gomes denuncia que é preciso “respeitar os ritos da democracia”. Segundo ele, o governo Bolsonaro não é produto de uma gigantesca manobra fraudulenta, mas um legítimo representante da opinião popular.

O povo escolheu Bolsonaro”, segundo Ciro Gomes, e por isso declara – quando perguntado sobre as medidas de ataques anunciadas pelo fascista – que é preciso “respeitar a estratégia, o tempo e a liberdade de escolha do candidato eleito” e que não irá “antecipar críticas”, pois o mesmo foi “eleito pela grande maioria dos brasileiros”.

“É preciso torcer pelo Brasil e respeitar os milhões de brasileiros que acreditam no Bolsonaro como opção. A maioria vota, cabendo a nós respeitar, cumprimentar e reconhecer a vitória e cobrar e exigir”, disse Gomes.

Sobre essas declarações há diversos argumentos para se combater. Mas comecemos pelo que é mais importante. Ciro Gomes apresenta a situação de forma totalmente distorcida da realidade.

“O povo” não escolheu Bolsonaro, como disse. Muito pelo contrário, como comprovam as pesquisas da própria burguesia, o povo havia escolhido Lula, que foi impedido de se candidatar. E esse foi o ponto central da fraude eleitoral: o candidato do povo não pôde concorrer. Mas não é só isso. A fraude foi parte de toda uma manobra dos golpistas que apreenderam materiais de campanha de partidos de esquerda, impugnaram uma série de candidaturas, reprimiram diversas manifestações de estudantes, colocaram a extrema-direita nas ruas para agredir militantes de esquerda e assim por diante.

Ou seja, não foram eleições realizadas dentro da “normalidade democrática”, mas eleições realizadas dentro de um golpe de estado que rompeu com a aparência democrática do regime burguês brasileiro, partindo para uma ofensiva gigantesca para controlar o poder do Estado.

A proposta de Ciro Gomes é que, primeiro, “Bolsonaro foi eleito pelo povo”, o que é uma mentira, já que o político fascista teve menos de 39% dos votos. Outra coisa é que, em seguida, o pedetista afirma que “a maioria vota, cabendo a nós respeitar, cumprimentar e reconhecer a vitória e cobrar e exigir”, o que é um absurdo diante de todos os abusos ilegais e fraudulentos que foram realizados durante as eleições – começando pelo impedimento de Lula.

Ao contrário do que diz o Coronel cearense, a população não deve respeitar o resultado de eleições. Trata-se simplesmente da expressão mais concreta de toda a fraude que foi realizada pelos golpistas durante o processo eleitoral para impedir o PT de ganhar as eleições. Até porque essas eleições foram realizadas em meio a um golpe de Estado, que começou com o desrespeito da vontade popular por parte da direita, que derrubou a presidenta eleita, Dilma Rousseff, e mudou as regras do jogo para que o golpe se perpetuasse. O povo não pode respeitar o resultado dessa eleição fraudulenta, justamente porque sua vontade não foi respeitada, uma vez que queria Lula como presidente, e não Bolsonaro.

Mas não nos estendamos sobre este assunto, que já está claro para todo o mundo. Ciro Gomes ainda afirma que é preciso “respeitar a liberdade de escolha” do fascista. O que é um argumento, na melhor das hipóteses, tolo. Nenhuma medida exercida por um governo deve ser aceita pela população simplesmente porque a pessoa foi eleita. A política de ataques de Bolsonaro não deve ser aceita pelos trabalhadores, assim como a política do presidente francês eleito, Emmanuel Macron, não foi aceita pelos trabalhadores franceses, que partiram para as mobilizações de rua exigindo sua demissão.

No argumento de Ciro Gomes, os trabalhadores não têm, de fato, nenhum poder de decisão. Seria preciso aceitar que um governo inimigo da população foi colocado no poder, “cabendo a nós respeitar, cumprimentar e reconhecer a vitória e cobrar e exigir – que é a proposta da frente “democrática” dele. Isto é, sua proposta é a passividade da população durante 4 anos, até surgirem novas eleições e os capitalistas fraudarem o processo mais uma vez.

E, desta forma, como Ciro não propõe uma mobilização dos trabalhadores contra o governo Bolsonaro, suas “divergências” com o governo do fascista são apenas pontos técnicos. É desta forma que ele apresenta, por exemplo, o problema econômico, dizendo que “vender tudo não resolveria a dívida”. Ou seja, não é que se trata de um ataque contra o povo brasileiro, a entrega do patrimônio nacional para capitalistas estrangeiros, mas simplesmente o fato que essa medida não resolve um determinado problema financeiro.

E é assim que se seguem todas as “críticas” de Gomes contra Bolsonaro. As alianças de Bolsonaro com determinados partidos e os EUA são “ruins”, a extinção do Ministério do Trabalho também e o problema do Mais Médicos também.

Sobre o projeto reacionário do Escola Com Fascismo, ao invés de propor uma mobilização dos professores e estudantes contra os bolsonaristas, Ciro trata de jogar poeira nos olhos da população dizendo que “o STF vai logo mais acabar com essa estupidez, isso é a beleza da institucionalidade democrática”.

Porém, Ciro Gomes não se contenta em demonstrar que faz uma oposição consentida a Bolsonaro para manter o governo na linha (ou seja, sustentar o governo), ele ainda precisa demonstrar todo seu capachismo e sua política favorável aos golpistas e aos ataques aos trabalhadores.

O político cearense chegou a dizer, sobre a política agrária de Bolsonaro, que “não pode haver conflito entre a política indigenista e a produção”, isto é entre os interesses dos índios e dos latifundiários, e ainda afirma que é contra os “abusos dos dois lados”, deixando a entender que ocorrem abusos dos índios contra os latifundiários… nada mais cínico que isso.

Primeiro, deixa claro que sua política não é a de combater o monopólio da terra de algumas famílias expresso nos latifúndios, mas de manter a estabilidade entre os latifundiários e os índios, isto é, entre os exploradores e os explorados, que segundo Ciro Gomes, também cometem abusos contra os exploradores.

Ou melhor, a política dele é de sustentar o latifúndio e os proprietários de terra bolsonaristas e denunciar a reação dos indígenas, através de uma acusação demagógica dos “abusos dos dois lados”. A única forma de defender os índios dos ataques e chacinas dos latifundiários Bolsonaristas seria denunciando o golpe de Estado, a concentração da terra e defender a organização dos indígenas, quilombolas e trabalhadores do campo, inclusive seu armamento. Coisa, obviamente, que Ciro não faz.

E logo, chega o momento em que Ciro Gomes expressa que é totalmente a favor da política de repressão contra a população pobre.

Após dizer que “o problema no Brasil são as facções criminosas”, um argumento totalmente direitista, Gomes ainda elogiou os militares: “os militares são honrados, bem informados e patriotas”.

Desta forma, o grande “democrata” decidiu defender um dos órgãos mais fascistas do País. Aqueles que governaram no regime mais ditatorial da história do Brasil, que torturaram e censuram aqueles que defendiam os direitos democráticos, e que estão levando adiante uma chacina contra a população carioca por meio de uma intervenção militar no estado do Rio de Janeiro, que seu partido (PDT) apoiou.

Isso sem falar que o apoio aos militares é um apoio declarado à prisão de Lula e ao impeachment de Dilma; já foi revelado pelos próprios Generais das Forças-Armadas, que foram eles que garantiram os dois acontecimentos (centrais do golpe de Estado).

Os ataques ao PT

Chega um momento em seu vídeo em que Ciro Gomes trata de gastar todas suas munições contra o Partido dos Trabalhadores e Lula. Iniciando pelo argumento de que o PT errou ao lançar a candidatura de Lula: “Todo mundo sabia que a lei da ficha limpa não iria deixar o Lula ser candidato”, e, “o PT quis comover o povo lançando uma candidatura natimorta do Lula”.

Quer dizer, o PT não deveria lançar a candidatura daquele que liderava as pesquisas de opinião e nem enfrentar os golpistas, deveria aceitar todas as arbitrariedades calado.

Fica claro então que a “democracia” de Ciro Gomes é defender que os juízes (e não o povo) tenham direito de decidir quem pode ou não ser candidato – o que fica claro em sua defesa da lei totalmente antidemocrática da Ficha Limpa. A única posição democrática possível é apoiar que o povo tenha direito de votar em quem quiser, independente de crimes que o candidato tenha cometido (no caso de Lula, o crime nem existe e a prisão foi ilegal, o que torna Gomes ainda menos democrático).

E ainda vai mais adiante dizendo que o lançamento da candidatura de Lula foi “um ataque contra o povo brasileiro”, um insulto e uma enganação “dizendo que o Lula é candidato, para ficar todo mundo apaixonado por ele, e quando anunciar que ele não é, pegar o poste [Haddad], lançar o poste para ganhar eleição”.

O PT, desta forma, não só teria errado ao lançar Lula, como teria usado isso de manobra para enganar o povo e favorecer Haddad.

Porém, com todos esses argumentos, quem está enganando o povo é o próprio Ciro Gomes. O PT, de fato, lançou Lula como candidato e o abandonou. O que ocorreu, entretanto, foi que a ala direita do partido, os aliados de Ciro Gomes (Camilo Santana, Jacques Wagner, Tarso Genro, etc.), exerceram uma pressão gigantesca dentro do partido para que abandonasse a candidatura contra o golpe e começasse a fazer uma campanha capituladora. E esse esforço da ala direita petista foi levado de conjunto com a própria imprensa burguesa e Ciro Gomes, que eram contra o lançamento da candidatura de Lula e da polarização política nas eleições, desde o início.

Gomes, então, não só é um sustentador do governo Bolsonaro, com sua oposição de mentira, mas também é favorável à fraude eleitoral que tirou Lula das eleições para colocar Bolsonaro no poder.

Fraude eleitoral que ele justifica com o argumento da imprensa golpista de que “a maior força do país hoje em dia é o antipetismo”. Uma justificativa falsificada, pois já ficou muito claro que Lula (PT) é o político mais popular e o mais apoiado do país, liderando todas as pesquisas de opinião, e o PT é o partido com o maior número de militantes de todo o País, com uma base social e eleitoral de milhões de pessoas.

E assim continua atacando o PT. Dizendo que a crise do país começou com Dilma e não com Temer (o golpe), ocultando a sabotagem econômica e política que foi feita pelos golpistas para derrubar o governo Dilma. E ainda fala que o “PT que está ferrando o Brasil”, e não o golpe.

Diz o absurdo de que o PT não criticou Bolsonaro o tanto quanto ele, Ciro Gomes, criticou. “Eu desafio um petista a mostrar uma frase de um petista graduado, ou muito menos do Haddad, no primeiro turno, contra Bolsonaro”. De fato, é criticável a política passiva do PT. Entretanto é ainda mais criticável, condenável e denunciável a política cínica de Ciro Gomes.

A “campanha contra Bolsonaro” de Ciro Gomes fez parte da última tentativa da direita de levar o PSDB para o segundo turno. Tanto é que, no segundo turno das eleições, quando a disputa era entre o PT e Bolsonaro, o abutre bateu asas para Paris e fingiu que não estava ocorrendo nada.

Sem falar que a campanha não violenta do PT se deu por conta da própria pressão da imprensa golpista e de Ciro Gomes contra a polarização política. Ou seja, cinismo puro do coronel cearense.

Mas não param os ataques ao PT. Gomes acusa o PT de ter financiado uma campanha de notícias falsas na internet para atacá-lo. Uma forma de comparar o petismo ao bolsonarismo. E então, justifica sua omissão no segundo turno de forma que deixa bem clara sua função política de atacar o PT e a esquerda: “entre o fascismo e a corrupção sistemática que a cúpula do PT representa, eu optei por sair”, e “não quero mais fazer campanha para corrupto, enquanto essa cúpula do PT estiver dando as cartas, não contem comigo”.

O argumento de Ciro Gomes procura apresentar o PT como sendo uma cúpula que exerce uma “corrupção sistemática”, contribuindo para a campanha de perseguição ao partido, que os golpistas estão procurando colocar na ilegalidade. Com tal comparação, ele iguala Bolsonaro ao PT. Iguala o fascismo, em suas próprias palavras, ao PT, partido da classe operária brasileira. O que, diante de todos os ataque ao PT por parte da direita que controla o Estado, para beneficiar Bolsonaro, o coloca, na prática, ao lado de Bolsonaro. Um ataque imenso a todo o movimento operário e popular. Não há de ter mais dúvidas, então, de que Ciro Gomes é um membro fundamental do bloco golpista.

Seu objetivo é levar adiante todos os ataques do regime golpista e do imperialismo contra a população, que quer perseguir as organizações de luta dos trabalhadores e os partidos de esquerda para aprofundar a exploração do povo brasileiro.

Fica nítido que a frente “democrática” de Ciro Gomes é uma frente com Bolsonaro e os golpistas e contra o PT e o resto da esquerda. Por isso, é preciso denunciar. A população tem que sair às ruas contra o golpe. A única frente aceitável é a frente das organizações operárias, camponesas e das massas contra a política de ataques dos golpistas, de maneira independente da burguesia e de elementos da direita, como Ciro Gomes.