A política da derrota
Com a aproximação das eleições, a direita intensifica a campanha para que a esquerda caia na arapuca da colaboração de classes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Frente amplíssima | Foto: Reprodução
Com a pandemia de coronavírus, a crise econômica, que já estava bastante agravada, se tornou ainda mais profunda. Mais de 700 mil empresas fecharam as portas definitivamente em todo o Brasil e empresas gigantescas em todo o mundo ameaçam entrar em falência. Nessas condições, os ataques da burguesia ao povo pobre e trabalhador deverão aumentar exponencialmente. Afinal, a única maneira de salvar, ainda que temporariamente, os negócios dos capitalistas é por meio da exploração de todos os povos do planeta, em especial os dos países atrasados.
No Brasil, isso é mais nítido que qualquer outra coisa. Os bancos receberam trilhões durante a pandemia de coronavírus, enquanto o Estado se eximiu de ajudar minimamente a população a combater a crise sanitária. Nem um único hospital foi construído no País. Ao mesmo tempo, dezenas de ataques trabalhistas foram disparados contra o povo: redução e congelamento de salários, demissões e a instituição da pena de morte nos presídios. Todo o patrimônio nacional foi posto à venda, incluindo aí a água!
Essa política extremamente agressiva da direita só poderá ser respondida pelo povo com a mais completa revolta contra o regime político Afinal de contas, protestar contra a direita passou a ser uma questão de sobrevivência. Exemplos disso são as manifestações nos Estados Unidos e os atos pelo Fora Bolsonaro, que tiveram uma grande radicalização em seu início. No caso norte-americano, o presidente de extrema-direita Donald Trump chegou a se esconder em um bunker, com medo de que o povo o arrancasse de sua residência oficial.
Uma vez que a tendência à mobilização é cada vez maior, uma vez que parte de uma necessidade real dos trabalhadores, a burguesia, bastante consciente de seus interesses, já prepara uma operação para esfriar completamente o potencial explosivo do povo. Por um lado, a direita procura sufocar a população com todo tipo de medida antidemocrática, incluindo aí a Lei das “fake news”, que impõe uma dura censura aos adversários do regime. Por outro, a direita procura se infiltrar na esquerda e nos movimentos populares, lançando mão da chamada “frente ampla”.
Cada vez mais grotesca, a “frente ampla” seria a aliança de setores da esquerda e das organizações do povo e a direita golpista. Isto é, uma aliança entre o povo e os inimigos do povo. O objetivo, obviamente, seria o de impedir que a mobilização se desenvolvesse e, assim, mantivesse o regime de pé. Trata-se, no final das contas, de uma tentativa de corromper ideologicamente um setor da esquerda com a oferta de um cargo a ser conquistado nas eleições municipais.
Ora, em primeiro lugar, a burguesia não respeita eleição alguma. Basta ver o que foi feito com Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula. Em segundo lugar, ainda que a esquerda elegesse um ou outro prefeito, que diferença isso faria, de fato, para impedir que a extrema-direita avançasse no regime? Os militares continuam tutelando o regime e todas as instituições permanecem nas mãos da burguesia.
A única classe verdadeiramente interessada na “frente ampla” é a burguesia, pois parte da política da “frente ampla” consiste justamente na retirada do povo das ruas. É preciso rejeitar completamente essa política de colaboração com os golpistas e intensificar a mobilização pelo Fora Bolsonaro.
Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas