Eleições departamentais
Coalizão entre a esquerda e setores da burguesia está pavimentando o caminho para a extrema-direita
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
mujica
José Mujica | Foto: Reprodução

As eleições municipais no Uruguai demonstraram, uma vez mais, o fracasso retumbante da política de colaboração de classes entre a esquerda e a burguesia na América Latina. Dessa vez, a Frente Ampla, coalizão em que está contida a maior parte da esquerda uruguaia, esteve perto de perder as eleições em Montevideo. Detalhe: na capital uruguaia, a Frente Ampla controla todo o aparato estatal.

As eleições aconteceram no dia 27 de setembro. A Frente Ampla obteve 53,3% dos votos totais, contra 39% da Coalizão Multicolor, que reúne os partidos da direita e da extrema-direita. Dentro da Frente Ampla, a candidata Carolina Cosse conseguiu a maioria dos votos, superando Álvaro Villar e Daniel Martínez.

O resultado apertado em um departamento tradicionalmente controlado pela Frente Ampla não é seu único retrocesso. O Partido Nacional, organização da direita uruguaia, conquistou 15 dos 19 departamentos totais do país. Ao mesmo tempo, o partido de extrema-direita Cabildo Abierto teve um crescimento bastante expressivo.

O avanço da direita sobre o regime uruguaio, por sua vez, está diretamente relacionado com a posutra da esquerda uruguaia. Nos últimos anos, a esquerda renunciou, sucessivamente, a ter uma política combativa em relação à extrema-direita. Mesmo 35 anos após o fim da ditadura militar uruguaia, os militares seguem impunes. E agora, em que a extrema-direita vai sendo impulsionada em todo o mundo para responder à crise do regime, os militares estão levantando a cabeça.

É o caso, por exemplo, do fascista Guido Manini Ríos, que já se consolidou como a principal liderança da extrema-direita uruguaia. General, Manini Ríos é considerado pela imprensa uruguaia como uma das principais figuras a darem as cartas no regime político uruguaio.

Manini Ríos chegou, inclusive, a integrar o governo Mujica. Nas últimas eleições, apareceu com 11% das intenções de voto, tendo se candidato por um partido formado recentemente.

Ao mesmo tempo em que Manini Ríos vai obtendo maior influência sobre o regime, a posição da esquerda continua sendo a mesma: a de procurar se aliar aos setores aparentemente mais “democráticos” da burguesia ou de capitular abertamente contra a extrema-direita. O caso de Mujica, principal figura da esquerda no país, é exemplar: na medida em que o cerco vai se fechando e a direita vai tomando conta, o líder decidiu se aposentar da vida pública. Uma capitulação que demonstra a falta de disposição de um enfrentamento real.

É preciso rejeitar completamente esse tipo de política. A Frente Ampla não é exemplo algum para o Brasil: a única maneira de impedir o avanço do fascismo é por meio da mobilização dos trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas