Siga o DCO nas redes sociais

Mobilização Popular
Frente Ampla não gera alternativas de combate ao coronavírus
Enfrentar a pandemia requer mobilização popular, não aliança com a burguesia.
49674433666_932fb583ab_k
Mobilização Popular
Frente Ampla não gera alternativas de combate ao coronavírus
Enfrentar a pandemia requer mobilização popular, não aliança com a burguesia.
O presidente golpista, Jair Bolsonaro. Foto: Carolina Antunes/PR
49674433666_932fb583ab_k
O presidente golpista, Jair Bolsonaro. Foto: Carolina Antunes/PR

Da redação – Em meio ao momento de crise sanitária e crise econômica graves, procuramos o posicionamento da esquerda política pequeno-burguesa diante de um cenário tão complicado como o atual. A proposta de formação de uma Frente Ampla, estratégia defendida, principalmente, pelo atual governador do Maranhão, Flávio Dino, vem sendo cotada como a melhor forma de combate ao atual governo parasitário.

Dino, cujo partido ao qual está filiado é o PCdoB, defende a necessidade de uma “união entre Lula e Luciano Huck” ou seja, a união entre os setores políticos de ideologia esquerdista, representados pela figura de Lula, e a expressão pura dos interesses da burguesia brasileira, Huck, em uma possível eleição em 2022. Porém, esta estratégia é falha até mesmo do ponto de vista da efetividade.

É fato que Jair Bolsonaro chegou ao poder através de uma campanha muito bem montada, com a utilização das redes sociais e de notícias falsas, não somente nas redes, mas, especialmente, no monopólio da imprensa capitalista. Este governo instalou-se totalmente, montou suas bases na opinião pública de setores reacionários da pequena-burguesia e segue implantando seu plano econômico de arrocho.

Diante disso, propõe-se que a esquerda busque um diálogo com setores de direita “não aliados” ao governo, porém, com características ideológicas e práticas bem parecidas. Esquece-se, então, que se faz impossível o diálogo entre trabalhadores e capitalistas e seus representantes políticos, pela lógica da luta de classes. Parece que a esquerda esqueceu-se de 2016, o maior resultado da aliança com a classe reinante.

Enfrentar a extrema-direita requer organização política e, principalmente, mobilização das camadas inferiores. Mas a estratégia de aliança não passa de uma traição à classe trabalhadora. É entrar no jogo político capitalista, onde a classe dominante sempre ganha e acaba por realizar seus interesses lucrativos.

Cabe às organizações verdadeiramente aliadas à classe trabalhadora a militância, alcançar as massas para mobilizá-las. Devemos, agora, orientar e organizar os trabalhadores que estão sendo brutalmente atacados pelas medidas econômicas e pela falta de medidas sanitárias do governo ilegítimo em meio à pandemia do coronavírus, levar à população propostas efetivas, radicais e operárias para vencer a crise e derrubar Bolsonaro, caso contrário o desastre humanitário será fatalmente destrutivo.