Live da frente ampla
A esquerda pequeno-burguesa nitidamente nega a história do movimento operário e adere à desastrosa política de distensão da burguesia: a frente ampla.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
maxresdefault
Janelas Temáticas: live da frente ampla a favor de um maior controle dos golpistas sobre a internet | Créditos: YouTube

Engana-se quem considera o fascismo como única cartada da burguesia. Para não perder o domínio do regime político, os capitalistas lançam mão de velhos estratagemas. Dever-se-ia ser de conhecimento geral, ao menos para a esquerda que carrega a insígnia do comunismo, mas a esquerda pequeno-burguesa nitidamente nega a história do movimento operário e adere à desastrosa política de distensão da burguesia: a frente ampla.

Numa política completamente capituladora, o PCdoB orgulha-se, em seu sítio na internet, de ter participado de “live” mediada pelo presidente nacional do PV, José Luiz Penna, que reuniu partidos como o Cidadania, e figuras como Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Lídice da Mata (PSB), além do deputado federal Orlando Silva (PCdoB – SP). Intitulada de Janelas Temáticas – a reunião obviamente não abordou a questão central, isto é, dos ataques do governo golpista contra a população de conjunto. O objetivo central foi a defesa da censura na internet.

Segundo a matéria, “o PCdoB, PSB, PV, PDT, Cidadania e Rede estão conscientes de que não há mais nada a fazer sobre o estabelecimento de regras duras para coibir fake news nas eleições municipais [grifo nosso], mas é necessário trabalhar por uma legislação que possibilite o chamado ‘jogo limpo’ nas eleições de 2022”. Ora, nada mais alucinado. Esperar “jogo limpo” de um regime controlado pela extrema-direita que deu o golpe em 2016 e impediu a participação do candidato mais popular do país? Será alucinação ou puro oportunismo? Deixemos que o ilustre deputado do PCdoB nos tire essa dúvida.

“Nós temos que mirar na eleição de 2022. Passada a eleição (municipal), o Congresso Nacional tem obrigação de concentrar energia nesse assunto”, disse Orlando Silva (PCdoB – SP). “Minha concepção é que o TSE está apostando muito na auto-regulamentação (sic) das plataformas. Eu não apostaria tanto. É necessário haver regras nos termos que o Ciro (Gomes) chamou atenção”, complementou.

Para Marina Silva, representante dos banqueiros, a questão é não confundir liberdade de expressão com disseminação de “ódio e mentira”, porque “a liberdade de expressão não é para disseminação do ódio e aos ataques pessoais a quem quer que seja”, disse. A fala de Marina per se é uma contradição, pois se há algum tipo de norma a ser seguida, não há liberdade de expressão.

Já para Ciro Gomes, trata-se de um ponto de equilíbrio entre o domínio dos golpistas e a possibilidade da frente ampla se colocar como uma alternativa. “Enfim, a nossa tarefa é achar o ponto de equilíbrio entre a ampla liberdade que é boa para os produtores de conteúdo e a responsabilização pelo fim do anonimato e a influência do dinheiro sujo e da propaganda produção de mentiras que deforma a opinião pública e, portanto, destrói a democracia”, disse.

Em suma, o próprio fato de o PCdoB ter feito essa “live” com Ciro Gomes, Marina Silva, PV e Cidadania, expõe a grande capitulação do PCdoB diante da direita – o que temos acompanhado desde o início do golpe de Estado. Mas não é só isso: na “live” um dos pontos principais foi a discussão da censura às supostas “fake news”, aumentando o poder do Estado – controlado pela extrema-direita – sob a internet.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas