Jogo de Comadres
Boulos não quer atacar o PSDB pois este é o jogo da frente ampla: conviver com os golpistas numa boa relação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
16055741455fb31e01cc892_1605574145_3x2_md (1)
Mal parecem adversários | Foto: Reprodução

O segundo turno vai chegando na reta final, faltam apenas 2 dias paras a eleição na maior cidade do País, São Paulo, Guilherme Boulos faz uma campanha…. chata, sem vida ou vontade. Onde foram parar aqueles bons e velhos embates eleitorais burgueses em que um candidato chama o outro de canalha, denuncia seu Partido pelos crimes cometidos, em outras palavras, dá o combate?

Ficaram nas páginas da história no que diz respeito ao PSOL, que sempre falou grosso com o PT e fino com os tucanos e candidatos da Globo. Guilherme Boulos teria conseguido o impensável, chegar ao 2º turno, ele se diz o candidato da mudança, diz que vai “virar o jogo” em São Paulo. Mas quem assiste aos debates e vê a campanha, vê um oportunista eleitoral que não faz aquilo que mais se faz numa eleição: atacar com tudo que se têm o adversário. Não me levem a mal, com Covas e o PSDB, não é preciso inventar nada, basta contar os podres.

“Candidato, o seu partido roubou centenas de milhões dos paulistas no escândalo do Trensalão, planeja, se eleito, piratear o erário público desta forma também?” ou ainda “Covas, seu tio, Mario Covas, e seu padrinho Dória são notórios espancadores de professores que reivindicam salários, vai tratar o professor no chicote se eleito?”, ele poderia entrar com uma boa e velha: “Você dizem que são democráticos, mas deram o golpe contra Dilma, votaram em Bolsonaro e sustentam seu governo, como tem a cara de pau de falar que é honesto?”. O candidato do PSOL poderia ter falado qualquer uma destas coisas ou ainda qualquer uma de 1 milhão de coisas horríveis que o PSDB fez com o povo nos últimos 30 anos, mas a campanha de Boulos se restringiu a dizer coisas como “A prefeitura preferiu obras eleitoreiras, todo mundo viu, calçada nova sendo quebrada, um monte de recapeamento na véspera de eleição, e não fez as obras com o dinheiro que estava lá disponível. Esse dinheiro existe”. Se vai falar da proverbial calçada, podia pelo menos falar o óbvio, os tucanos tão usando o dinheiro para comprar voto.

Isso não é disputa, é jogo de comadres. Nem parece que ele está 8 pontos atrás. Vejamos um exemplo de um direitista, numa situação periclitante, menos que a de Boulos, verdade, mas que quer ganhar a eleição, o Bispo Crivella.

Crivella não quer perder o cargo no Rio de Janeiro, em todos os debates acusa Paes, que tem telhado de vidro, de uma série de coisas, algumas reais, como o descaso com obras públicas, relações com mafiosos da política carioca, outras completamente fictícias como que o candidato do DEM planeja instaurar a pedofilia nas escolas públicas em conjunto com o PSOL. Fake news ou não, absurdo ou não, deplorável ou não, não há como negar que Crivella está jogando tudo que tem contra Paes, tentando manter um eleitorado e conquistar novos. 

Boulos, ao ser atacado por Covas, disse: “Quando Bruno faz isso (atacar usando o problema da Venezuela), me parece desespero. Não é o perfil dele. Ele sempre foi ponderado, não foi para o extremismo bolsonarista de quem só quer atacar.”. Olha só, Bruno Covas o ponderado! Será o mesmo Covas que matou 60 mil nesta metrópole com a COVID-19 ou será o cidadão que aprovou o maldito SampaPrev e liquidou a aposentadoria dos professores municipais?

O debate morno e a campanha insossa tem um sentido claro, quem acompanha a política internacional sabe bem. Este ano Sanders capitulou diante de Joe Biden, muitos da aguerrida militância sandernista dizem que a derrota se deu pois o candidato se furtou de “ir à guerra” contra o mafioso eleito. Ele se furtou mesmo. Raramente a campanha de Sanders mencionava o absurdo de Biden ter tentado estuprar uma funcionária, não levantou o fato de que o candidato quer bombardear metade do mundo, de que ele é parte do pântano corrupto de Hillary Clinton, que ele é o democrata mais pró-Bush que o mundo já havia visto, entre uma série de outras coisas. Não o fez para não queimar pontes, não queria ter que ir a guerra e ter de apoiar Biden depois, não queria ter de ir a guerra e enfrentar o tiroteio que com certeza viria.

Boulos é um homem da frente ampla, o jogo de comadres é isso. Não quer brigar com os futuros aliados. Afinal falar que o PSDB é um partido de ladrões, de ditadores, de amigos do bolsonarismo, golpistas, etc.. etc… não pega bem se você cogita apoiá-los em 2022 contra um Bolsonaro. Contra o Maluf do século XXI, Boulos fechou acordo com Tancredo Neves, Sarney e a Arena, todos vimos como isso acabou nos anos 80, não será diferente hoje.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas