“Frente amplíssima”
O ex-ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, defende uma frente com a direita, inclusive com bolsonaristas não radicais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
frente ampla
Frente ampla | Arquivo

A defesa da aliança entre a esquerda bem comportada e a direita “civilizada” é uma constante nos jornais burgueses, que apoiaram o golpe de Estado em 2016. A tônica é a pretensa defesa da “democracia” contra a barbárie bolsonarista.  Além de editoriais, e espaço a políticos defensores da frente ampla, a imprensa abre as páginas dos seus jornais para intelectuais alinhados com a perspectiva de subordinação da esquerda à direita. 

O ex-ministro da Educação do governo Dilma Rousseff e filosofo Renato Janine Ribeiro escreveu um artigo na revista Piauí (Folha) intitulado “Diálogos urgentes”, em que coloca em destaque: “Para livrar o Brasil da barbárie, direita e esquerda precisam conversar e, juntas, ir ao encontro dos eleitores não fanáticos de Bolsonaro”. 

O grande eixo apresentado por Renato Janine é a defesa de que a esquerda deveria perdoar a direita que deu o golpe em 2016, e ainda buscar os apoiadores “não fanáticos” de Bolsonaro. Essa visão representa uma completa capitulação diante dos setores burgueses fundamentais do regime político. 

“A primeira é saber como estabelecer um diálogo do campo democrático com a metade dos bolsonaristas não radicais, reunindo-os a uma frente ampla de oposição ao governo. A outra questão é saber se existe, realmente, alguma disposição da parte dos que rejeitam Bolsonaro a formar uma frente oposicionista, o que implicaria, necessariamente, estabelecer um diálogo entre a esquerda e a direita. “ 

O “diálogo” no “campo democrático” deveria incluir não somente os setores oposicionistas do governo, mas os bolsonaristas “não radicais”. Na medida em que nas últimas semanas o próprio presidente Jair Bolsonaro tem procurado, pelo menos no discurso, se apresentar como menos “radical”, caberia até mesmo uma versão mais “light” do próprio Bolsonaro.  

A frente ampla proposta por Renato Janine visa “unificar” a esquerda com a direita, mas ampliando ainda mais para setores “não radicais” da extrema direita, mas como Bolsonaro estaria “crescendo”, seria preciso incorporar na frente os bolsonaristas arrependidos, afinal segundo o filósofo “O arrependimento é uma manifestação de dignidade”. Acontece, que essa perspectiva política é nada mais nada menos do que uma subordinação completa da esquerda à direita tradicional e os setores desgarrados do bolsonarismo.  

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas