Uma política oportunista
O deputado federal saiu em defesa de doações de banqueiros recebidas por um candidato a vereador,. A cada eleição o PSOL aprofunda sua política de conciliação de classes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
freixoeboulos
O PSOL é um partido eleitoral e oportunista. | Arquivo.

As eleições estão mais uma vez revelando a política oportunista da  esquerda pequeno-burguesa. O candidato a vereador em Duque de Caixas, na Baixada Fluminense, Wesley Teixeira (PSOL), aliado de Marcelo Freixo, foi alvo de críticas internas em seu partido por receber doações de capitalistas para a campanha.

O candidato recebeu, segundo informações do jornal O Globo, R$ 75 mil de pessoas como o ex-presidente do Banco Central, Arminio Fraga, homem dos banqueiros no País, o herdeiro do Banco Itaú, do cineasta João Moreira Salles, e de Beatriz Bracher, filha do ex-banqueiro Fernão Bracher.

Segundo as informações do jornal, em reunião interna do PSOL, setores do partido defenderam que Wesley Teixeira devolvesse a quantia e estudam outras sanções. O deputado federal Marcelo Freixo teria saído em defesa do candidato a vereador, inclusive ameaçando sair do partido caso a punição se concretizasse.

Na plenária virtual do PSOL, onde foi discutido o problema, na última quinta-feira (1), Wesley afirmou que não pretende devolver o dinheiro. Marcelo Freixo teria declarado que: “se formalizarem alguma tentativa de impugnar a sua candidatura, Wesley, eu saio do PSOL, porque não tem condições de eu ficar em um partido que não vê o tamanho do que você representa para a democracia brasileira”. O deputado federal teria lembrado, ainda, que sua campanha a prefeitura do Rio em 2016 também recebera dinheiro de Guilherme Leal, um dos fundadores da Natura, e ninguém cogitou sua impugnação.

Freixo, de acordo com a prática de seu partido, está correto..  Vale lembrar também que a candidatura de Luciana Genro à presidência da República em 2014 também recebeu dinheiro da Gerdau e da rede de supermercados Zaffari.

A discussão no PSOL revela muito sobre o conteúdo político, programático e social do partido. É um fato que a posição de Marcelo Freixo e seu aliado, Wesley Teixeira, passa por cima da maior parte do partido que supostamente se opõe ao a esse tipo de financiamento. Uma posição claramente oportunista e revela candidaturas dependentes da burguesia, oportunistas e de conciliação de classes.

Mas a turma de Marcelo Freixo é apenas uma expressão mais extrema da própria política do PSOL. Não é a política oportunista de Weslei e Freixo que atropelam o restante do partido, mas é o próprio programa do partido que permite o surgimento e o domínio de políticos oportunistas.

O PSOL é um partido criado com o discurso demagógico de que seria diferente do PT, principalmente no que diz respeito à independência de classe,  apenas um discurso que nunca foi parte do programa do partido, essencialmente um partido de tipo pequeno-burguês e reformista e portanto oportunista.

Por isso Marcelo Freixo reclama da diferença de tratamento em relação à sua candidatura em 2016. Os políticos profissionais, parlamentares e oportunistas dentro do PSOL, diante da possibilidade de vitória de Freixo, que naquele momento contou inclusive com o apoio de rede Globo e revista Veja, não quis se confrontar com a política ultra-oportunista do candidato.

Por isso a incoerência. O que Freixo está reivindicando é simplesmente que o PSOL seja coerente até o fim em sua política eleitoreira e oportunista, o que fica bastante claro na justificativa cínica de Wesley sobre as doações: “Nós vamos aceitar os valores que foram doados. Vamos usar esses recursos para fazer essa campanha histórica e ter a chance de depois de muitos anos eleger alguém diferente das famílias que estão ai por muitos anos”. Uma declaração ultra-demagógica, típica de um político burguês disposto a tudo pelo cargo.

O PSOL ainda sequer tomou a decisão sobre o caso, o que também revela o caráter do partido. Qualquer partido minimamente combativo, não necessariamente revolucionário, teria afastado sumariamente um elemento oportunista ao extremo como este. Não é o que acontece porque em maior ou menor grau toda a direção do PSOL está envolvido na busca oportunista por um cargo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas