Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Nomeado em 2016 para uma nova Diretoria de Estratégia, Organização e Gestão da Petrobrás, o ex-funcionário da Shell, Nelson Silva, pretende privatizar até o fim de 2018 US$ 21 bilhões da estatal.

Os golpistas seguem firmes no propósito de dilapidar a economia nacional e entregá-la ao grande capital estrangeiro. Desde o início dos chamados escândalos de corrupção – um deles inclusive apelidado de Petrolão – em torno ao governo do PT, o alvo principal do entreguismo ficou claro: a Petrobrás precisava ser destruída, suas ações depreciadas, seu patrimônio vendido, sua capacidade de fiscalização e incorporação de tecnologia anulada. Era preciso, por fim, ceder o petróleo brasileiro para as empresas petrolíferas estrangeiras.

Como de hábito, os donos do dinheiro no mundo agem em diversas frentes de maneira coordenada: inicialmente, enfraqueceram a imagem da Petrobrás no mundo por meio de operações como a Lava Jato, o embargo de obras, o cancelamento judicial de contratos. Em seguida, por meio de agentes como o funcionário da Chevron, José Serra (PSDB-SP), garantiram dispositivos legais que retiram as garantias da Petrobrás na exploração da camada do pré-sal, por exemplo, dentre outras políticas estatais contra os trustes internacionais.

Por fim, infiltraram agentes das concorrentes da Petrobrás no mundo dentro dos quadros da estatal, de modo a desmontá-la e vendê-la. É o caso de Nelson Silva, ex-funcionário da Shell indicado diretamente por Michel Temer – também agente da mesma petrolífera.

Quem desdenha quer comprar vender.

A estratégia de Silva é simples: maquiar a contabilidade da Petrobrás de modo a diagnosticá-la como deficitária e assim vendê-la a baixos preços a seus patrões estrangeiros.

Segundo funcionários da Petrobrás, o diretor usa parâmetros falseados para analisar as contas da empresa. Silva estabeleceu metas não praticadas no mercado (como uma alavancagem de 2,5, inferior à da própria Shell), que não poderão ser atingidas pela estatal, de modo a justificar a venda de seus ativos. Enfim: cria dificuldades para literalmente vender facilidades.

Ao expropriar ativos da Petrobrás, o imperialismo e seus agentes não apenas dilapidam o patrimônio estatal nacional: eles reduzem a capacidade econômica do estado – e portanto sua capacidade de regular o mercado. As privatizações promovidas pelos golpistas são, por isso, um ataque direto à soberania do país. Seus operadores, de terno, aspecto compenetrado e ar inocente – como Pedro Parente ou Nelson Silva –, deverão responder no futuro por crimes de lesa-pátria.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas